Adicionar aos favoritos Meus posts favoritos 05/07/2018

Se existe uma cultura única e bem diferente da nossa, a japonesa se enquadraria por diversos motivos. Durante a minha viagem, através de tudo que absorvi e aprendi, uma das coisas que mais gostava de prestar atenção era nas diferenças culturais. Algumas são engraçadas, outras são estranhas (por exemplo esse negócio de animal cafés), e outras são bonitas. A parte cultural das viagens sempre me fascinou muito, então eu queria dedicar o segundo post inteiramente às curiosidades que aprendi sobre o Japão e os seus habitantes. Se você ainda não leu o primeiro post sobre o Japão, clique aqui. E vocês? Quem já foi e teve essas mesmas impressões ou achou outro detalhe cultural curioso que eu não mencionei aqui?! Afinal, são várias as diferenças, mas essas foram as mais marcantes para mim. Talvez eu esteja esquecendo de alguma, mas aí vou mencionando conforme vou escrevendo os posts de cada cidade que visitei! Espero que gostem 

A ORIGEM DO NOME

Os Japoneses chamam o Japão de “Nippon” ou “Nihon”, o que significa “origem do sol”. Segundo a mitologia japonesa, o país e os seus habitantes são descendentes da deusa do sol, o que explica a origem do seu nome. Nós ocidentais chamamos de “Japão” por causa da pronúncia chinesa dos caracteres que significam “origem do sol”. Em inglês, o Japão também é conhecido como “the land of the rising sun” e o círculo vermelho na sua bandeira representa a circunferência do sol. Durante séculos os japoneses acreditavam que o Imperador e sua família eram descendentes diretos da deusa do sol, mas quando foram derrotados na segunda Guerra Mundial, os Estados Unidos obrigou o Imperador a “renunciar” a esse mito, o que foi a maior derrota de todas.

O TAMANHO DO PAÍS

O Japão é composto de 7 mil ilhas que somadas formam uma área um pouco maior que o tamanho da Alemanha! Para os japoneses, o mundo é dividido em dois tipos de pessoas: eles e todo resto, ou seja, japoneses e ocidentais, uma vez que tudo fica de fato ao oeste do Japão, até o Havaí.

NO TRABALHO

Os japoneses são pessoas ordeiras e trabalhadoras. Eles se esforçam em seu trabalho e, por medo de serem vistos como vagabundos, as pessoas não tiram férias.

SILENCE IS GOLDEN

Eu não sabia até chegar lá, mas 5/6 do país é inabitável porque é tão montanhoso que é apenas adequado para pinheiros, e não há estradas, casas ou fábricas. Ou seja, toda população está concentrada em apenas 1/6 do território do pais, a sua maioria espremida ao longo da costa. Isso significa que os japoneses moram um em cima do outro, apertados, com pouca privacidade e centenas de vizinhos, por isso eles prezam tanto pelo silêncio! Em sendo assim, é proibido e falta de educação falar no telefone celular em lugares públicos como o metrô ou restaurante.

KAWAII – A CULTURA DA FOFURA

A palavra “fofo” não é o suficiente para definir o termo kawaii, pois ele tem muitos significados. Kawaii é o nome dado a essa cultura da fofura tão aparente que existe no Japão! Para quem não está acostumado, chega a ser até cansativo ver tanta variedade de produtos fofos e sorridentes! E se você for como eu, é de enlouquecer porque você quer sair comprando tudo! Hahaha. Esse termo significa algo fofo, bonito, adorável, doce, bondoso, precioso, e coisas do tipo. Essa palavra é conhecida internacionalmente graças a cultura pop japonesa e os animes. Ela serve para designar objetos, acessórios, roupas, animais e pessoas, incluindo crianças e mulheres atraentes. Por exemplo, para uma mulher, ser chamada de “kawaii” é um elogio muito maior do que ser chamada de sexy, por exemplo. No entanto, não é comum chamar um homem de kawaii. O termo também é usado para designar personagens de ficção como de animes ou mangas. Um comportamento infantil, inocente e ingênuo também é considerado kawaii.

Kawaii é um conceito estético que teve início na Segunda Guerra Mundial, mas que ganhou força total nos anos 70 com o crescimento da economia japonesa e comercialização de produtos relacionados à mascotes e personagens de animes e mangas. O maior símbolo de Kawaii até os dias de hoje é a icônica personagem Hello Kitty, criada pela Sanrio em 1974! Elementos de kawaii apareceram pela primeira vez durante a Segunda Guerra Mundial, em desenhos e bonecos, destinados a incentivar as tropas japonesas. Depois da derrota na Segunda Guerra Mundial e recuperação pós-guerra, a tendência cultural do Japão para a dependência parecia levar a nação a concluir que sua dependência política e econômica dos Estados Unidos era a chave para o sucesso. Esta relação subserviente talvez tenha alimentado a cultura popular “infantil” do Japão. Uma nação militar e agressiva foi convertida em pacífica e inocente.

Desde então, os japoneses gostam de coisas fofas, não importa a idade! Elementos kawaii podem ser vistos em todo lugar do Japão – tudo tem bichinhos e acaba tendo uma conotação infantil: embalagens, roupas, lembrancinhas, anúncios, publicidades, transporte público, placas de trânsito, tudo é fofo! Até mesmo a culinária japonesa é fofa. Eu saí fotografando tudo, é claro, como vocês irão perceber nos meus posts em seguida! Kkk. Os próprios emojis e bitmojis se enraízam na filosofia kawaii. Muitas empresas usam mascotes fofos para expor seus produtos e serviços para o público, e o melhor exemplo disso são as 47 prefeituras do Japão – todas têm um mascote fofo!! Kkk.

EDUCAÇÃO

Como todos sabem, os japoneses são as pessoas mais educadas do mundo, sendo até mesmo com coisas como comida e bebida – eles se referem ao arroz como “go-han” (arroz honrado), por exemplo. Kkk. Gentileza e educação a gente vê por todos os cantos no Japão. No metrô, por exemplo, as pessoas fazem filas indianas ao lado esquerdo e direito das portas, esperam todo mundo sair sem bloquear ou atrapalhar a passagem, e só depois entram calmamente, sem empurrar…o brasileiro ainda tem muito o que aprender viu?! Dependendo do nível de educação, você chega a ficar até constrangido as vezes.

MÃO INGLESA

O Japão não foi colonizado pelos ingleses, mas lá a mão é inglesa! As pessoas dirigem do outro lado, e especialmente, andam e usam a escada rolante do outro lado, ao contrário do Brasil. No começo é bem confuso, especialmente se você estiver atravessando uma rua muito movimentada, como o famoso Shibuya Crossing, mas depois de um tempo você acostuma. Na escada rolante, você deve ficar parado no lado esquerdo, assim quem quiser ultrapassa pela direita.

METÓDICOS E PRAGMÁTICOS

Os japoneses são MUITO metódicos e pragmáticos, chega a ser chato depois de um tempo. Eu confesso que eu só comecei a reparar mais nisso depois que nossa guia em Tóquio reclamou disso (ela é israelense, mas mora no Japão há mais de 20 anos). E de fato, eles são muito chatos com algumas coisas bobas, por exemplo, ingressos – na hora de entrar em algum local com ingresso, não basta uma pessoa segurar e mostrar todos, eles querem que cada um segure o seu, e só assim eles deixam entrar. São bobagens assim, que repetidas, tornam-se chatas. Tudo é levado ao pé da letra também! Um vendedor vai responder exatamente o que você perguntar e nada mais! Acontece o tempo todo e é um pouco frustrante hahaha. Lembro que em Izumo levamos exatos 5 minutos para conseguir pedir dois sorvetes, tamanha dificuldade! O fato deles falarem pouco inglês também não ajuda, é claro! Kkk.

PACHINKO

Guarde esse nome – vocês irão ver muito! Isso porque os Japoneses AMAM Pachinko! Pachinko nada mais é do que uma espécie de casino japonês. São máquinas de aposta que se assemelham a uma mistura de caça níqueis com pinball vertical. A indústria do Pachinko se tornou um dos negócios mais lucrativos do Japão, constituindo a maior atividade de lazer do país. Por atrair gente de todas as idades e sexo, e ser relativamente fácil de jogar, o Pachinko é extremamente popular e é considerado um passatempo divertido pelos japoneses. Os salões de Pachinko estão por toda parte e é impossível não os notar – são mega estruturas, repletas de neon e letreiros com luzes piscando e ofuscando sem parar, e uma música ensurdecedora vindo de dentro! Naturalmente, o jogo e esse ambiente acabam causando um sério problema de vício no país. A curiosidade neste caso é que jogo de azar no Japão é proibido e ilegal, então como é que o Pachinko, que não deixa de ser um jogo de aposta, continua legal? O lance está na premiação e no sistema de saque. Na maioria dos salões, as bolas acumuladas pelo jogador são trocadas por prêmios em mercadoria, pois o governo proibi a troca por dinheiro. Essa troca é depois feita em outro local, fora das dependências do salão, então como o dinheiro é obtido através desta troca de terceiros, tecnicamente, o Pachinko não é um jogo de azar!

O CAFÉ DA MANHÃ

No Japão existem dois tipos de café da manhã: o japonês (naturalmente kkk) e o “western” (ocidental). No buffet do hotel é comum ver os dois tipos, mas especialmente se você se hospedar num ryokan, você geralmente terá que optar entre essas duas opções. O ocidental pode parecer normal, mas vale mencionar que ele inclui uma salada (sim, salada) logo cedo! Estranho né?! Eu achei muito! Já o café da manhã japonês é composto de arroz, peixe seco e uma sopinha missoshiro! Que tal?! Hahaha.

OS BUEIROS

Uma das coisas que mais gostava de fotografar durante a viagem eram os bueiros! Parece algo estranho né?! Mas no Japão os bueiros são lindos e todos diferentes! Cada cidade tem o seu, com cores e desenhos simbólicos! É muito legal! Alguns lugares possuem mais de um “tipo” de bueiro! Vale a pena ficar de olho e notar as diferenças!

ANIMAL CAFÉS

Vocês provavelmente acompanharam nos meus stories todos os “animal cafés” que vi no Japão! Só tive coragem de entrar em um, de gatos, e mesmo assim achei muito esquisito! É impressionante o quanto eles amam esse tipo de lugar e é possível encontrar de tudo – cafés de gatos, corujas, cachorros, porco espinho…vai entender! Eu perguntei para a nossa guia em Tóquio a história por trás desse fenômeno, mas ela não soube me dizer. Dei um google recentemente e li que como os japoneses moram em apartamentos pequenos e apertados, com a família toda, dificilmente conseguem ter um animal de estimação, e, portanto, “matam” essa vontade nesses cafés! Até que faz sentido, mas continuo achando bizarro pagar para acariciar um animal por alguns minutos tomando um café! Hahaha. E vocês?!

OS BANHEIROS

Eu tenho certeza que muitos de vocês pensam em banheiros no Japão e pensam na TOTO! Hahaha. De fato, existe um monopólio total da marca TOTO, mas existem dois tipos de banheiro no Japão – o ocidental (esses vasos modernos) e o tradicional japonês que nada mais é do que um buraco no chão!! Levei um susto!! Hahaha. Se você encontrar o modelo tradicional num banheiro público, não entre em pânico – na maioria dos casos existe também alguns ocidentais, é só procurar em outro box! Alguns restaurantes em lugares mais remotos só possuem a opção tradicional mesmo, aí não tem o que fazer. Mas sério mesmo, todos os banheiros são MUITO MUITO limpos! É impressionante! É comum encontrar também chinelinhos com a palavra “toilet” escrita hahaha. Eu até postei uma foto deles nos stories! Mas isso você encontra em banheiros de restaurantes aonde você é obrigado a tirar o sapato para pisar no tatame – para não ter que ir descalço ao banheiro, eles oferecem esses chinelinhos. Outra dica muito útil que me salvou várias vezes e quero repassar é o truque para entrar no banheiro certo! A cor azul é sempre utilizada para o sexo masculino e o vermelho para o feminino. Mesmo que você não entenda o desenho ou nada do que está escrito, você pode chutar pela cor! Kkk.

TABAGISMO

Atenção fumantes! É proibido fumar na rua no Japão e se você for pego, poderá ser multado! Dentro de certos estabelecimentos, especialmente nos izakayas, você ainda pode, afinal o Japonês no geral fuma muito. Essa proibição na rua existe para prevenir que os outros sejam queimados por cigarro, especialmente crianças. Nossa guia nos contou sobre toda a polêmica e debate em volta do tabagismo dentro de restaurantes durante as Olimpíadas – o governo queria proibir, mas o povo não queria aceitar de jeito nenhum, então chegaram em um consenso: o cigarro será banido dentro de qualquer estabelecimento durante um mês, pela duração da olimpíada, e depois voltará tudo ao normal! Kkk.

MULHERES NO COMANDO

Quando soube dessa eu curti muito! Hahaha. Vocês sabiam que quem controla o dinheiro na casa é a mulher?! O marido trabalha e no final do mês entrega todo o seu salário para a esposa, que irá então administrar o dinheiro. Os maridos costumam ganhar uma mesada apenas para gastar como e com o que quiserem. Então de um certo modo, a mulher é a CFO da família! Não é legal?! Kkk.

AS QUATRO ESTAÇÕES

Tudo no Japão é muito temático e tudo gira em torno das quatro estações. Além de terem as quatro estações bem definidas, o japonês tem a cultura de comemorar o efêmero. A literatura japonesa traz muito a ideia de fragilidade humana e da natureza transitória de tudo. A incorporação disso é a flor de cerejeira na primavera. Os japoneses têm até um nome para o ato de apreciação e visualização das cerejeiras – “Hanami”! Eles são especialmente atraídos por aquilo que é elusivo. Coisas fugazes são consideradas belas, enquanto coisas duradouras não são. Os gostos e a moda mudam de acordo com as estações. As mulheres usam diferentes quimonos e acessórios na cabeça de acordo com a estação, fazendo sempre referência a algo simbólico dessa época nos desenhos, como as cerejeiras ou a glicínia. Idem para os hashis e o seus apoios, por exemplo. Os cardápios dos restaurantes mudam sazonalmente e é comum ver produtos especiais em comemoração à alguma determinada época ou coisa. Os mais conhecidos são os produtos de edição limitada que estão à venda somente durante a “sakura” – época das cerejeiras. Eles costumam ser os mais desejados.

A VIDA E A MORTE

Os japoneses fazem uma grande distinção entre os vivos e os mortos. Por exemplo, o jeito de amarrar o kimono é diferente, assim como o uso dos hashis (palitinhos). O jeito certo de amarrar o seu kimono ou katakana é colocando o lado esquerdo por cima. O lado direito por cima é só utilizado para enterrar os mortos! Espetar a comida com o hashi, além de ser falta de educação, é um gesto utilizado somente em funerais quando oferecem arroz aos mortos, por exemplo! Então tem que tomar bastante cuidado para não cometer essas gafes!

VENDING MACHINES

As máquinas de venda estão em todo o lugar no Japão. Com certeza isso vai ser uma das primeiras coisas que você vai reparar! Cada esquina tem uma e geralmente elas são coloridas e super iluminadas, sem falar da variedade. As embalagens dos produtos também são um show a parte. Máquinas de bebidas têm uma variedade de recursos extras, geralmente oferecendo bebidas quentes e frias. Os botões em vermelho indicam as bebidas quentes e os azuis, as frias. Além do mundo dos refrigerantes, há máquinas de venda no Japão para todo tipo de coisa, desde álcool até arroz, até revistas e até ovos. Eu achei super prático! A abundância de vending machines no Japão é impressionante! Você encontra até nos lugares mais remotos! Com pouco mais de 5 milhões em todo o país, o Japão tem a maior densidade de máquinas de venda em todo o mundo. Há aproximadamente 1 máquina de venda para cada 23 pessoas, de acordo com a Japan Vending Machine Manufacturers Association. As vendas anuais somam mais de US $ 60 bilhões!!

ADOÇANTE E COCA ZERO

Por mais estranho que pareça, nossa guia em Naoshima nos contou que os japoneses são contra açúcar artificial então por isso é super raro encontrar adoçante nos lugares e coca zero! Por isso fica a dica – se você não vive sem adoçante, traga com você na sua mala! Você vai me agradecer! Kkk.

TATAMES

O tamanho padrão de um tatame no Japão é 1m80. Uma sala numa casa típica japonesa terá sempre 6 tatames! As salas designadas para as cerimônias do chá costumam ser menores e mais intimistas, com apenas 4 tatames e meio!

LICE PLEASE!”

Sabe aquela brincadeirinha do “flied lice” ao invés de “fried rice”?! Existe uma explicação e finalmente descobri porquê! Os japoneses não conseguem ou têm muita dificuldade em pronunciar o som da letra “r” então eles transformam tudo em “l”! Assim sendo, o arroz vira “lice” ao invés de “rice”, “ramen” vira “lamen” e “glass” vira “grass”. Kkk.

A LÍNGUA JAPONESA

E por fim, não poderia deixar de falar da DIFICULDADE da língua japonesa! Fiquei impressionada quando me contaram! Vocês sabiam que existem três alfabetos?! Já imaginou? E é comum ver os três tipos misturados numa mesma frase – eita confusão! Hahaha. Existem dois conjuntos básicos de caracteres em japonês: kana e kanji. Os caracteres kana são a coisa mais próxima de um alfabeto ocidental que existe em japonês. Ao contrário das letras nos alfabetos ocidentais, no entanto, kana representa sons e nem todos os sons ocidentais são representados. É por isso que os japoneses acham tão difícil pronunciar muitas das palavras ocidentais quando estão aprendendo línguas estrangeiras. Existem dois estilos de kana: katakana e hiragana. Os significados e pronúncias de ambos são os mesmos, embora sejam escritos em estilos diferentes. A diferença é semelhante à diferença entre manuscrito cursivo e impresso em outros idiomas. O hiragana é usado para escrever palavras japonesas, enquanto o katakana é usado para palavras ocidentais importadas para o japonês. Em restaurantes internacionais você quase sempre encontra o menu escrito em katakana e o nome do restaurante também! Existem 46 caracteres kana e a maioria das crianças japonesas dominam eles até o final do primeiro ano.

Os caracteres kanji são consideravelmente mais complicados. Esses são caracteres simbólicos que representam palavras e conceitos específicos. Eles foram importados dos chineses por volta de 600 dC e, embora o número total de caracteres Kanji seja contestado, supostamente são mais de 50.000. O Ministério da Educação do Japão compilou uma lista de 1.945 caracteres kanji, que são os mais usados ​​- considerado o número mínimo exigido para a alfabetização de adultos. E mesmo que você aprenda todos esses, você só vai conseguir entender e ler 80% das coisas escritas! Parece loucura né?! Leva crianças japonesas 9 anos para aprender o kanji! Como a maioria das publicações japonesas são escritas em kanji, não espere ler nada mais complicado do que placas ou sinais até que você tenha aprendido o kanji mais comum, porque você não vai entender nada! Hahaha. Como se não fosse difícil o suficiente, muitas palavras têm o som parecido ao falar, mas tem um significado totalmente diferente baseado nos caracteres utilizados. Ou seja, duas pessoas podem ter o mesmo nome foneticamente, mas o significado de cada um é diferente. Por isso, os japoneses adoram utilizar cartão de visitas! É o jeito mais fácil da pessoa saber o real significado do seu nome. E aí, quem quer aprender a falar e ler em japonês?! Hahaha.

Comentários

comentários

Related Posts

Voltar