Adicionar aos favoritos Meus posts favoritos 30/01/2018

Como a maioria de vocês já devem saber, eu escolhi passar o meu réveillon em Tulum, no México, mais uma vez esse ano. Diferente do ano passado, dessa vez eu estava com a minha turma de melhores amigos, então não preciso nem dizer que foi melhor ainda. Também não tinha como ser diferente! O hotel também contribuiu para que a experiência fosse melhor, e nem o frio e a ventania que pegamos nos últimos dias poderia mudar o fato de que eu sigo amando Tulum. Cada vez me apaixono mais! Tulum é assim – deixa você sempre com um gostinho de quero mais! Em 2015 eu viajei para Tulum pela primeira vez e me encantei de cara por este paraíso rústico e despojado, com areais branquíssimas e mar azul turquesa, a 130 quilômetros ao sul de Cancun. A viagem, em maio, durou uma semana e me deixou com vontade de retornar. Voltei no ano retrasado para o réveillon e me apaixonei de vez. Não é à toa que eu já fui três vezes desde então e ainda pretendo voltar muitas vezes para esse pequeno pedaço do paraíso onde você pode andar descalço o dia todo, conectar-se com a natureza, comer divinamente e se divertir como quiser!

Tulum é um lugar infundido com uma energia especial – dizem que a partir do momento que você chega em Tulum, você se apaixona! Talvez seja pela sua localização especial e sua história: Tulum fica no estado mexicano de Quintana Roo, na Península de Yucatán, no coração do antigo mundo Maia e abriga uma das mais belas ruínas com vista para o Mar do Caribe. Foi uma das últimas cidades construídas e habitadas por esta civilização. A tradição e cultura Maia ainda é muito presente na região e acaba criando um certo misticismo. É difícil explicar como este lugar é mágico – a atração magnética e a energia de Tulum são algo que você precisa sentir na sua própria pele. Eu volto toda vez porque simplesmente não consigo “get enough of Tulum”!! Kkk. A cidadezinha é um CHARME, super pitoresca, cheia de placas e sinais divertidos. Os balanços também são a marca registrada de Tulum – você vai encontrar milhares espalhados em todos os cantos da cidade. Além disso, a comida é excelente, as pessoas são simpáticas e de bem com a vida, e a beleza natural é um show à parte. Eu adoro a atmosfera “eco-chic” e “easy going” de lá! A sensação de bem-estar é inexplicável! Tulum é o destino ideal para quem procura se desligar do mundo e dos seus problemas e simplesmente relaxar.

Todo mundo que conheci e que já esteve lá concorda: uma visita nunca será suficiente! Na minha opinião, o que faz Tulum ser único é o fato da cidade ter sido desenvolvida conscientemente para respeitar a sinergia com seu ambiente natural. Todos os hotéis e restaurantes são “eco-friendly” e alimentados por fontes de energia sustentáveis. O lugar é badalado e sossegado ao mesmo tempo e possui um astral único. Agrada a todo mundo: desde casais procurando romance e yogis interessados em bem-estar, aos solteiros que procuram agito! No final do ano tem muita gente bonita! Essa é também a melhor época para ir se quiser ver festas com produções incríveis e som de primeira qualidade. Vale a pena ir uma vez só para conferir!

Balanços em Tulum, México

A maioria dos hotéis e restaurantes estão localizados na zona hoteleira de Tulum, mais precisamente na Carretera Tulum-Boca Paila, uma estrada pequena e estreita literalmente entre a praia e a selva. Os hotéis são rústicos, mas cheios de charme! Na minha opinião, o melhor hotel da região é o Be Tulum, onde eu fiquei dessa última vez. Hoje em dia Tulum oferece boas opções de hospedagem, mas nem sempre foi assim. Cuidado para não cair em pegadinhas como o Azulik (nãe é tudo isso que você vê nos posts do Instagram) ou escolher um quarto sem ar-condicionado. A localização também é muito importante. Se não for nessa estradinha supramencionada, reconsidere! Você pode encontrar mais detalhes e dicas aqui. Como muitos me pediram dicas de hotéis pelo Instagram, achei válido listar aqui os hotéis que eu recomendaria em Tulum: Be Tulum, Nomade, Casa Malca, Sanará, Coral, Ana y JoséChiringuito, La Zebra e Mi Amor.

O HOTEL

Me hospedei no hotel Be Tulum por 10 noites e a minha estadia lá fez toda diferença. O hotel tem uma política chata de reservar, então é muito difícil conseguir um quarto durante a alta temporada, mas demos um jeito! Reservar com antecedência é obrigatório se quiser ter alguma chance! Kkk. Basicamente, o problema é que o dono do hotel é relativamente jovem então todo ano ele reserva todos os quartos do hotel para os seus amigos. Por isso que é tão difícil conseguir um quarto no réveillon! Se você tentar e receber uma resposta negativa, peça para colocarem o seu nome na lista de espera e fique insistindo ao longo das semanas. Eventualmente surgem quartos e aí eles oferecem esses quartos por ordem de chegada. As diárias no hotel são caras, mas vale a pena o investimento. Os preços em Tulum subiram, e honestamente, a tendência é continuar aumentando, então saiba que todos os hotéis bons estão cobrando caro hoje em dia. Se você pretende ter um mínimo de conforto, ar condicionado e estar de frente para a praia, vai ter que estar disposto a gastar um pouco mais! A boa notícia é que o preço dos restaurantes ainda não subiu então eles continuam baratos – por enquanto! Kkk.

O Be Tulum é um dos hotéis mais antigos de Tulum, mas na minha opinião continua sendo o melhor! Acho a sua localização e infraestrutura muito boa! O hotel foi totalmente reformado nos dois últimos anos então parece ser novo! Seguindo a linha “eco-friendly”, o acesso aos quartos é feito por um caminho pela mata que termina na praia e o hotel funciona à base de geradores. A praia do hotel é linda! Para mim, fica no melhor trecho da extensa praia de Tulum, onde não tem muito movimento e o mar é calmo! O hotel possui duas piscinas e dois restaurantes, além de oferecer serviço de praia. A decoração é rústica e utiliza muita madeira, mas sempre em harmonia com a natureza em volta. O hotel também possui um SPA, o Yäan Wellness Energy Spa, onde hóspedes podem agendar massagens e tratamentos, além de desfrutar de um “circuito de águas” incluso no valor das diárias. O café da manhã também está incluso e é muito bom!! Ele inclui uma cesta de pães (o croissant era fantástico), um prato de frutas, iogurte com granola e um suco de frutas, além de café e chá obviamente. Você também pode pedir pratos quentes do menu à la carte como “huevos rancheros”, “french toast” ou “eggs Benedict”. Eu pedia todo dia um smoothie chamado “chac bolay” que era feito de manga, laranja e maracujá – uma delícia!! Depois de muita insistência, conseguimos pedir também um misto quente no café, mas custou para eles acertarem viu?! Hahaha.

Todos os quartos do hotel seguem um estilo “eco-chic-rústico”! Eles são amplos e espaçosos, possuem ar condicionado (bem possante por sinal), banheiro aberto com área do chuveiro (chuveiro interno e externo) e área íntima separadas e privadas, closet com cofre eletrônico, secador de cabelo, etc. Tem até uma tomada USB para carregar os seus dispositivos eletrônicos diretamente! No entanto, os quartos não possuem televisão (acho que quase nenhum em Tulum tem) e infelizmente não têm frigobar. Isso foi uma coisa que fez falta! Eles fornecem garrafas de águas, até porque não se pode beber água da torneira em hipótese alguma, mas a água fica quente né?! Não é a mesma coisa! Kkk. Mas para suprir as necessidades dos hóspedes, eu descobri no último dia que existe umas geladeiras no terraço em cima do restaurante da praia aonde você pode pegar bebidas e algumas comidinhas se der vontade. Supostamente, basta você anotar – eles acreditam na sua boa-fé! Imagino que isso jamais daria certo em qualquer outro lugar hahaha.

Mas fora isso o serviço de arrumação do quarto era impecável! As camareiras limpavam o quarto duas vezes ao dia (a qualquer hora do dia que fosse mais conveniente para você), e sempre deixavam tudo em ordem rapidamente. Nunca tinha um grão de área no chão do quarto, por mais que entrássemos com o pé sujo! Super eficientes, a gente voltava do café da manhã e o quarto já estava pronto! Adoro hotéis que têm serviço bom assim! Faz toda diferença! O meu quarto ficava no térreo, então tinha uma piscina e uma área privada com redes e cadeiras, rodeada por plantas. O ambiente era bem gostoso, mas essas plantinhas não proporcionavam tanta privacidade assim, e as portas de vidro do quarto que se abriam para a piscina e essa área também não ajudavam. Basicamente, você precisava manter a cortina e o blackout fechados quando você queria mais privacidade para se trocar, por exemplo! Os quartos no andar de cima poderiam soar melhor, mas eles não tinham blackout, então o pessoal que ficou neles reclamou que acordavam cedo com o sol na cara! Isso é Tulum! Hahaha. Faz parte! Kkk. O hotel oferece o serviço de room service, mas ele funciona nos mesmos horários do restaurante – somente até às 22h! Mas de modo geral, eu adorei ficar no hotel e recomendo super!

O TRANSPORTE

O meio de transporte oficial de Tulum é a bicicleta! A maioria dos hotéis oferecem gratuitamente para os hóspedes, mas você também pode facilmente alugar uma. Muitos amigos me perguntaram na época se valia a pena alugar carro ou não, e eu sinceramente acho que não precisa! A zona hoteleira de Tulum é lotada de taxis, basta acenar que um deles irá parar. As distâncias não são tão grandes e não tem muito lugar para estacionar, então na minha opinião é mais prático ficar andando a pé, de bicicleta ou de taxi! O carro compensaria na hora de ir para as festas, mas aí também não tem onde parar perto ou o lugar é muito longe e fica perigoso guiar à noite, então simplesmente não vale a pena. Nas três vezes que eu fui para Tulum eu me virei perfeitamente sem um carro. Mas e para fazer os passeios? Vá de taxi! Você pode combinar um preço fechado com o motorista antes de sair e pedir para ele esperar! Não tem erro! Alguns argumentaram que valia a pena alugar um carro porque era o preço do transfer do aeroporto de Cancun para Tulum. Pode ser! Mesmo assim, eu ainda prefiro pegar o transfer! Kkk. Na ida nós fechamos um transfer num carro deluxe do hotel pelo valor de USD 190 e dividimos em dois casais. De fato, foi caro, mas aí na volta nós negociamos com um taxista e ele nos levou para o aeroporto por USD 100 – bem mais barato! Tendo em vista que o trajeto todo leva entre 1h30-2h30, dependendo do trânsito, USD 100 é um preço justo. Na ida nós pegamos bastante trânsito, especialmente na entrada de Tulum, mas na volta fomos super rápido – chegamos no aeroporto em 1h20!

OS PASSEIOS

De dia, o programa é aproveitar a linda praia paradisíaca que é bonita até num dia nublado ou chuvoso. Protegida pela segunda maior barreira de coral do mundo, são aproximadamente 15km de areia branca e águas cristalinas que imitam uma enorme piscina. A maior parte do tempo ficamos na praia do hotel mesmo que como mencionei acima, na minha opinião, fica no melhor pedaço da praia e tem a maior concentração de gente bonita em volta. As cadeiras de praia na verdade são pufes e camas, então são superconfortáveis. Como o hotel está localizado no final da estradinha da zona hoteleira, o movimento de pessoas na praia é bem menor do que nos outros hotéis. O mar também é mais calmo normalmente e se você caminhar cerca de 15 minutos para a direita, a praia fica completamente deserta! É lindo! Pegamos dias lindos e ensolarados, mas no final entrou uma frente fria e o tempo ficou encoberto e o mar bem agitado. Pela primeira vez na vida eu vi um monte de gente fazendo kite surf em Tulum! Nem sabia que tinha! Hahaha. A ventania era tanta que estava ideal!

As famosas ruínas maias ficam a apenas 10 minutos de carro da zona hoteleira e fazem jus às fotos. A antiga cidade Maia de Cobà fica a 40 minutos de distância, e Chichen-Itza, a 7ª Maravilha do Mundo, fica a 3h de distância de Tulum. Outro programa é nadar nos cenotes, cavernas subterrâneas de água doce que são point imperdível para mergulho. Os mais famosos são: Cenote Dos Ojos, Gran Cenote e Sac Actun. Você também pode nadar com tartarugas em Akumal ou simplesmente fazer snorkel ao longo da costa para admirar o mundo subaquático. Existem várias opções de passeios ao redor de Tulum, mas cada vez mais estou convencida que mais vale a pena curtir a praia do que fazer esses passeios! Eles acabam tomando o dia inteiro e não são tão incríveis assim. É claro que uma vez que você está lá, tem que conhecer pelo menos um cenote e ver as ruínas de Tulum, mas não acho que deveria ser uma prioridade! Na última viagem eu fui para Cobà, Sian Kaan e o Cenote Dos Ojos (veja mais aqui). Dessa vez, a única coisa que eu realmente queria fazer era nadar com as tartarugas em Akumal, mas acabei indo nas ruínas e num cenote também!

No dia 02/01, fomos então para Akumal nadar com as tartarugas. No dialeto Maia, Akumal significa “Lugar da Tartaruga”. Situado entre Tulum e Playa del Carmen, a pequena comunidade de Akumal tem uma baía rasa protegida com uma praia isolada e recife nas proximidades. Eis o motivo por ter se tornado uma espécie de santuário de tartarugas marinhas. Se você quiser ver uma de perto, este é o melhor lugar na Riviera Maya para fazer snorkel. Eu queria fazer este passeio desde o ano passado, porque ouvi falar que valia a pena, diferente de outros kkk. Pegamos um taxi e fechamos um preço fixo com o taxista para ele nos levar até Akumal, esperar a gente, e nos trazer de volta para o hotel. Negociamos USD 80, mas como acabamos desviando um pouco do plano original, no final pagamos USD 120 por tudo. Do hotel até Akumal, levamos aproximadamente 40 minutos e chegando lá, o taxista nos levou até o centro de mergulho na praia, aonde alugamos o equipamento de snorkel (máscara, tubo para respirar (era novo), pé de pato e colete salva-vidas) e pegamos uma guia para nos levar até as tartarugas. Tudo custou USD 100 para o casal. O mergulho de snorkel durou 1 hora, mas a duração estava à nosso critério – poderíamos ter ficado mais tempo, só que não achamos necessário. Durante o mergulho vimos as tartarugas marinhas bem de perto, além de raias, peixes e corais. O passeio valeu a pena, mas sinceramente eu esperava ver mais tartarugas. A guia nos explicou que embora estima-se que cerca de 70 tartarugas vivam nessa região, como elas são livres, é difícil garantir que você irá ver uma, muito menos várias. Realmente é uma questão de sorte. Nós vimos três então fiquei satisfeita, mas eu estava imaginando um monte hahaha. A praia de Akumal é lotada então recomendo ir cedo para não pegar muita muvuca na água!

Na volta de Akumal, o taxista sugeriu parar no Parque Dos Ojos que era a caminho, e visitar segundo ele “o cenote mais bonito da região” – o Cenote Sac Actun! Como essa era a primeira vez do meu namorado em Tulum e eu também não conhecia esse cenote, concordamos com a sugestão do nosso taxista. Infelizmente, quando chegamos lá o cenote estava fechado para um evento privado! Imagina que decepção depois de tanta expectativa hahaha! Mas aqui vai então uma curiosidade que aprendi: todos os cenotes são privados, por isso que eles cobram a entrada e também podem fechar quando bem entendem, como foi o caso. Tivemos que nos contentar com um outro bem menor e totalmente aberto – o Cenote Nicte-Ha. É claro que não existe um cenote feio, todos são bonitos com água cristalina, mas poder ver a parte subterrânea faz uma diferença. Mas mesmo assim valeu – demos o “check” e voltamos para Tulum a tempo de almoçar.

No dia 05/01, resolvemos pedalar até as ruínas de Tulum. Estava um dia bonito então eu sabia que seria ideal para tirar fotos, porque o mar azul turquesa iluminado pelo sol é outra coisa! A primeira vez que eu fui para Tulum eu visitei as ruínas, mas infelizmente estava tendo um surto de algas e o mar estava consequentemente marrom, nada parecido com a vista deslumbrante que tive essa vez! Fomos pela manhã, mas antes paramos para tomar café da manhã num lugarzinho bem descolado chamado I Scream Bar. Comemos bem – é o famoso bom e barato! Kkk. Depois de tantos dias hospedados no mesmo lugar, é normal se enjoar do cardápio do hotel, então fomos atrás de outras alternativas. No ano passado, eu tomei café da manhã no Mur Mur duas vezes. Era excelente, mas esse ano eles deram uma reformulada e não abrem mais para o café! Uma pena. Então fora esse I Scream Bar, as outras opções boas são o The Real Coconut e um novo ao lado do hotel Coral, cujo nome não consigo lembrar! Eu não fui neste último, mas estava com uma cara boa e vivia lotado! As ruínas de Tulum não ficam longe da zona hoteleira e do nosso hotel, era basicamente uma reta só! Pedalamos uns 10 km até chegar na zona arqueológica de Tulum. Foi um ótimo exercício! Kkk. Ida e volta dá 20 km e cada trajeto leva em torno de 30 minutos. Estacionamos as bikes e compramos o ingresso em uma das máquinas eletrônicas ao lado esquerdo da entrada principal. A máquina só aceita cartão, mas vale a pena, porque a fila da bilheteria é sempre enorme! As ruínas são lindas e recomendo pegar um guia para entender melhor toda a história do período.

YOGA & SPA

Aos que buscam bem-estar, vários hotéis oferecem programas de yoga diários e o melhor SPA da cidade é o Yäan Wellness Energy Spa. Escolha a “sobada maya”, uma massagem Maia tradicional, para eliminar energias negativas. Para uma experiência espiritual Maia completamente local, experimente o “temazcal”, um alojamento de suor Maia, ou seja, uma espécie de sauna utilizada antigamente! Eu confesso que nunca criei coragem para fazer isso hahaha! Eu fiz a “sobada maya” no ano passado e gostei, saí me sentindo mais leve, mas dessa vez resolvi fazer uma massagem tradicional mesmo e escolhi a “deep tissue” que foi fantástica! Uma das melhores atualmente. Também fizemos o circuito de águas que estava incluso nas diárias do hotel, que consiste em quatro intervalos de 15 minutos, alternando entre temperaturas quentes e frias. Ou seja, primeiro começamos na sauna a vapor, depois tomamos uma ducha de água fria, antes de entrar na sauna seca. Depois da sauna, você entra na piscina gelada no exterior para um choque térmico, e termina o circuito na jacuzzi quente. O SPA é realmente lindo, vale a pena conhecer e fazer um tratamento, mas lembre-se de agendar com pelo menos dois dias de antecedência na alta temporada! Lota!

AS LOJAS

Compras não é o forte de Tulum, mas dá para fazer uns bons achados no estilo “hippie chic” nas lojas Km 33, Caravana, Lolita Lolita, Kaya, Hoki Poki Kana, The Wanderlust e as boutiques do hotel Azulik e da Posada Margherita. No Spectacle Room você encontra uma boa seleção de óculos de sol. Bem na frente, a loja Beach House vende bolsas fofíssimas Wayuu. Na Malosa você encontra chapéus de praia, um mais colorido que o outro, todos únicos e exclusivos – o difícil é escolher! Também vale dar uma conferida na loja Wild Side, ao lado da Casa Jaguar, que é uma loja de St Barths que abriu uma pop-up para a temporada.  Comprei menos coisas dessa vez – me contive! Hahaha. Acabei comprando apenas uma bolsa Wayuu com pedrinhas, um kimono e um poncho com capuz quando esfriou! Para homens, a loja de bermudas Crasqí é imperdível! Todo mundo comprou! Kkk. A loja pertence à duas venezuelanas, super simpáticas por sinal, e a coleção atual foi inteira inspirada na civilização Maia. As estampas são lindas e super coloridas! O tecido é muito bom e o shorts são super levinhos. Foi aqui que comprei também as minhas pulseirinhas coloridas de Tulum. É difícil encontrar roupa masculina em Tulum, mas algumas lojas que vendem são a Caravana, Josa Hombre e uma nova ao lado do hotel que infelizmente também não lembro o nome porque não anotei ou fotografei! Sorry! 

OS RESTAURANTES

De noite a cidade se transforma, ganha outra cara, cheia de luzinhas e velas, criando um ambiente romântico e intimista. Os restaurantes ficam do lado da selva e a maioria é ao ar livre. Pequenos e super charmosos, muitos foram abertos por expatriados vindos da Itália, Nova Iorque ou Cidade do México, e servem produtos locais orgânicos em várias combinações mexicanas e internacionais de dar água na boca. Não é de se surpreender então que se come muito bem em Tulum! A comida é super saborosa e costuma ser saudável, repleta de ingredientes frescos. Se jogue nos tacos, ceviches e guacamole, e não deixe de provar um dos deliciosos sucos naturais da Posada Margherita (o meu predileto é o “Gin Lemon” com maçã verde e gengibre)! A quantidade de restaurantes localizados na zona hoteleira também impressiona! Nós fomos em vários e até repetimos alguns favoritos! Segue abaixo um resumo.

BE TULUM: Fora o café da manhã, nós comemos três vezes no restaurante da praia do hotel – almoçamos nos dois primeiros dias e também no dia 1º pós réveillon. O cardápio é grande e tem bastante opção, mas na sua maioria você encontra pratos clássicos mexicanos e muitos grelhados. Os pratos são bem apresentados – são bem coloridos! A comida é boa, mas nada muito memorável. Comemos lá mais pela praticidade do que qualquer coisa. De todo jeito, vale a pena marcar um almoço para conhecer o hotel. O ambiente é bem agradável, todo aberto, e oferece mesas com pé na areia, além de mesonas maiores com almofadas no lugar de cadeiras.

CASA BANANA: O Casa Banana é um dos meus restaurantes preferidos em Tulum! A comida é muito saborosa!! Mal chegamos no primeiro dia e já fomos jantar lá! Aliás, é importante avisar que o cardápio do almoço não é o mesmo do jantar. Eu nunca almocei lá então não posso falar se é bom ou ruim, mas quem já foi nos dois afirma – o jantar é outra coisa. Então fica a dica! O lugar é bem concorrido então precisa reservar. Aqui nunca tem erro, tudo é bom! Como estávamos em 14 pessoas, pedimos de tudo um pouco! As empanadas, o chorizo, as carnes…recomendo tudo! A panqueca de dulce de leche decepcionou um pouco dessa vez, pois estava muito doce e açucarada! Mas é claro que isso não impediu ninguém de devorar ela! Hahaha. Imperdível!

BESO TULUM: Antes de chegar em Tulum, eu pedi para o concierge do hotel fazer um monte de reservas para termos sempre um “Plano B”. Reservamos o restaurante Beso para a segunda noite e tivemos que dar um cartão de crédito para garantir a reserva, vez que se tratava de um número grande de pessoas. O Beso Tulum é novinho em folha, abriu em dezembro e talvez você reconheça o nome de Formentera. Isso mesmo – abriram uma filal do Beso Beach de Formentera, na Espanha, agora em Tulum. Eles trouxeram o mesmo staff, o mesmo pessoal, algo que eu achei legal! O local é super bonito, o restaurante é animado, e a boa notícia é que a cozinha só fecha 12 AM, o que é um milagre em Tulum! Então o restaurante acaba virando uma opção boa para quem estiver a fim de jantar tarde. Infelizmente, acabou que eu não consegui ir jantar no dia, estava morta e acabei capotando, mas alguns amigos foram nesse dia e outra parte foi no último dia e tivemos mixed reviews! Hahaha. A primeira leva não curtiu a comida, mas a segunda adorou então eu não posso recomendar com certeza! Vocês vão ter que tirar suas próprias conclusões Kkk. Mas todos concordaram que o ambiente é bonito, legal e animado!

POSADA MARGHERITA: Este italiano também está na lista de restaurantes preferidos em Tulum! O lugar é um charme, fofo demais! E o cheiro de focaccia quando você chega é inebriante!! O menu aqui é bem simples, tem poucos pratos, mas tudo é fresco e feito na casa. As massas caseiras são o carro chefe! Vale a pena provar um dos sucos frescos – são várias combinações, uma melhor que a outra! Almoçamos duas vezes no restaurante e comemos super bem! O ambiente é super agradável, daquele que faz você querer passar horas lá…imperdível também!

CASA VIOLETA: Como todo bom paulista, domingo é dia de comer pizza! No caso, o nosso domingo era o dia 1 º de janeiro, o day after do réveillon! Hahaha. Depois de dias comendo comida mexicana, achei que comer uma bela pizza cairia como uma luva! Acertei em cheio! O restaurante leva o mesmo nome da pousada: Casa Violeta. Bem despretensioso e pequeno, a especialidade aqui são as pizzas feitas no forno à lenha. Provamos diversos sabores, todas estavam muito boas!! A massa é fina e crocante. Quem não quis comer pizza pediu uma massa ou lagosta, e no final, todo mundo saiu muito satisfeito! Vale a pena! Como o lugar tem poucas mesas, o ideal é reservar. Eles também solicitam o cartão de crédito como garantia para grupos grandes.

HEMINGWAY: Ahh, o Hemingway! É o meu novo queridinho! Eu conheci ano passado, mas dessa vez me encantei de vez! Hahaha. Para ter uma ideia do quanto a gente gostou, nós almoçamos dois dias seguidos lá! No Hemingway parece que o tempo anda mais devagar. Não tem astral melhor e nem mojito! Kkk. O restaurante é minúsculo (não tem nem 10 mesas), então é bem discreto e privado. Ele também está fora do circuito turístico, o que é ótimo! Bem rústico, no Hemingway não existe cardápio! Os pratos estão escritos numa lousa que fica no meio do restaurante. É tudo bem simples e “easy going”. A parte da praia é boa e fica angulada, então é possível ver um pouco do pôr do sol na floresta. Ao lado de fora, tem um terraço anexo com sofás aonde você pode ficar por horas batendo papo até anoitecer. É o melhor programa! Não deixe de experimentar a bruschetta de tomate (dos deuses – sério) e a famosa “mariscada! Aqui também se come o melhor peixe em Tulum!

CASA MALCA: Mais um restaurante que demos cano na reserva! Kkk. Eu já conhecia o lugar, fui no passado jantar um dia, então não senti falta, mas definitivamente tem que ir para conhecer o hotel que é o máximo! A comida do restaurante não é nada demais, é OK, e o pessoal que jantou lá concordou! Mas amaram o ambiente! O hotel é a ex mansão de Pablo Escobar, e atualmente pertence a um colecionador de arte, então o hotel está cheio de obras excêntricas! Vestidos de noiva pendurados feito cortina na entrada, um bar pintado pelo Keith Haring, e por aí vai. Acho o hotel muito cool, então como não fomos à noite, fomos ver o hotel na manhã seguinte. Eu acho até mais legal de dia do que de noite, especialmente se você quiser tirar fotos (e você vai! Hahaha)!! Em tempo, o restaurante também abre para o almoço.

NÔMADE GRILL: O hotel boutique nômade é vizinho do Be Tulum e pertence ao mesmo dono. Ele é um dos mais novos (acho que tem apenas 2 anos) e é super badalado, então almoçar aqui um dia é obrigatório. Super informal, a pedida é comer no nômade grill que é pé na areia. As mesonas com almofadas são comunitárias, mas isso não interfere em nada. A comida do restaurante é muito boa, uma das melhores! Tudo é feito na “parilla” ao ar livre na praia!! Mas saiba que para provar esses pratos deliciosos você terá que ter paciência e ser insistente com a hostess. Já aviso que os homens costumam ter mais sorte do que mulheres hahaha. A hostess é meio “escrotinha” mesmo e é de propósito. Você vai pedir uma mesa e ela vai falar que não tem (mesmo que você veja algumas vazias) – não adianta discutir. Apenas peça para colocar o seu nome na lista de espera, e quando ela falar que não tem previsão, diga que você não se importa e que irá esperar ali mesmo. Você acaba vencendo ela pelo cansaço hahaha. Não desista, porque vale a pena! Almoçamos aqui duas vezes e tudo estava ótimo: lagostas, tacos de carne, lula frita, polvo, etc. No mesmo hotel você encontra também o restaurante MACONDO, uma excelente opção para vegetarianos e veganos. Minhas melhores amigas amaram! Usando ingredientes frescos, locais e cultivados de forma sustentável, o restaurante prepara alimentos orgânicos crus e cozidos com as melhores frutas frescas, legumes e ervas que o Caribe tem para oferecer.

MINA: Dos mesmos donos do Casa Banana, o Mina também é um excelente local para comer carnes saborosas, entre outras coisas. O menu tem forte influências argentinas, mas também mexicanas. O restaurante abriu ano passado dentro do hotel Maria del Mar e é BEM bom! Foi sem dúvida um dos highlights da viagem! Jantamos na noite do dia 04/01 e todo mundo adorou! Coincidentemente, foi também o dia mais frio em Tulum, então uma comidinha mais pesada caiu bem!! Kkk. De entrada pedimos o “queso fundido” e as “croquetas”, e como prato principal teve desde ravióli de cordeiro e filet à parmegiana (eu comi kkk), a costela de boi e leitãozinho!! Fez a alegria da turma! Hahaha. E para completar, ainda pedimos de sobremesa o “volcán de dulce de leche”, parecido com o famoso do La Huella em Punta del Este! Estava muito gostoso, mas muito doce para mim! Aliás, vou aproveitar para responder uma pergunta que recebi diversas vezes durante as minhas férias!! Eu não como tudo que eu posto, especialmente se for doce!! Eu não sou muito fã de doces, não gosto de comer chocolate (eu sei kkk), então prefiro mil vezes algo salgado! Eu tiro foto e filmo tudo para mostrar as coisas para vocês e passar a dica, mas eu pessoalmente não como os doces (só de vez em quando e poucas colheradas)! Se eu comesse tudo que eu posto, realmente precisaria de uma mágica para não engordar! Hahaha.

EL CHIRINGUITO: Apesar do nome, este restaurante não tem nada a ver com o El Chiringuito de Ibiza! Alguém me falou ano passado que tinha, mas pesquisei e não tem! De fato, seria até estranho, porque a comida aqui não é tão boa quanto! Situado dento do hotel boutique que leva o mesmo nome, o restaurante abre para um terraço com vista para o mar. Com móveis rústicos, o ambiente é descontraído e calmo. Nós escolhemos almoçar aqui um dia, porque como estávamos em um grupo grande, seria impossível sentar todo mundo junto sem nenhum reserva! Como o restaurante não é badalado, elegemos o local e funcionou – sentamos na hora! Dominamos o restaurante. Inclusive, o restaurante é tão pacato que só tinha uma pessoa na cozinha!!! Totalmente despreparados! O serviço estava ruim, e a comida também não agradou. O pessoal ficou animado e pediu uma paella mas ninguém gostou! Estava muito seca! Todos os pratos demoraram muito e nenhum chegou junto, então não recomendo o restaurante, mesmo que ele tenha um ambiente agradável!!

GITANO: O restaurante mais animado de Tulum!! Tem que ir pelo menos uma noite! Eu recomendo ir numa sexta-feira, o melhor dia da semana para eles. Foi o que nós fizemos! O ambiente é o máximo – tem até um lounge para espera com um globo espelhado pendurado no meio das plantas. A luz de velas cria o clima intimista espalhado pelo restaurante. Os drinks aqui são excelentes, mas são caros. Aliás, o Gitano foi o restaurante mais caro da viagem! Aos finais de semana, depois da meia noite, a animação toma conta do lugar e rola uma mini baladinha no fundo. Para grupos grandes eles já possuem um menu fixo com vários pratos do cardápio original. É mais fácil porque assim ninguém tem que escolher o que quer e não cria aquela confusão e desordem na hora de pedir! A comida estava bem meia-boca, mas a nossa mesa era bem localizada, bem no meio, e durante o jantar escutamos uma bandinha tocar ao vivo e depois entrou uma DJ tocando “gipsy disco music”, então foi bem animado! Valeu! Esse ano eles inauguraram o “Jungle Room” atrás do restaurante para festinhas. Quem não for jantar só pode entrar depois da meia noite, então se chegar mais cedo e ver uma fila não se espante e não deixe ela te desencorajar! Basta ir após as 12h. Vale a pena!

ROSA NEGRA: Restaurante novíssimo que inaugurou agora para a alta temporada. Ele fica na frente do Gitano e consequentemente, fica aberto até mais tarde, o que é bom! A cozinha fecha tarde e ele também tem um bar legal para quem quer só tomar um drink. Bem animado e bonito, o Rosa Negra serve comida latino-americana e foi super recomendado por amigos mexicanos e pelo concierge do hotel. Fomos jantar lá no dia 06/01, mas a gente não estava com muita fome então acabamos comendo pouco. Foi uma pena porque só pedimos entradas, mas tudo que provamos estava bom! De couvert eles serviram um pão com queijo dentro e azeite de trufa que mais parecia um soufflê! Delicioso! O milho estava bom e as empanadas divinas! Também achei o serviço bom: rápido e eficiente. Foi um alívio depois de tantos dias no México! Kkk. Gostei bastante do Rosa Negra, super recomendo!

THE REAL COCONUT: Construído em cima de um deck elevado com uma vista linda da praia e do mar, o restaurante do hotel Sanará seria uma excelente pedida para o almoço, não fosse um pequeno detalhe – ele é um restaurante vegetariano! Ou seja, só vale ir se você for louco por legumes, bowls de quinoa, etc. O lugar é bem agradável, mas não é para todo mundo. Todos os pratos do menu não contêm glúten, derivados de leite ou açúcar refinado. Você até encontra algumas opções de proteína como peixe e frango, mas não é o forte. Não recomendaria ir até lá se essa é sua intenção. No entanto, se você fizer questão de conhecer o local e comer lá pelo menos uma vez, opte pelo café da manhã! Eles têm um cardápio legal. Recomendo as panquecas de banana! Para as formiguinhas de plantão, vale ir até o The Real Coconut só pelo cookie de frigideira deles, a única coisa fantástica e “non-skinny”! Hahaha. É muito bom!

OS DRINKS

Além da praia paradisíaca e comida boa, Tulum também tem drinks bons! Kkk. Assim como a caipiroska está para o Brasil, a margarita está para o México! Então não deixe de beber uma margarita clássica na praia do hotel Be Tulum (é muito boa!) e prove também o “spicy and skinny mezcal margarita” do restaurante Casa Banana. Aliás, você vai ver “mezcal” por toda parte então já vou adiantar e explicar qual a diferença entre ele e a tequila. Basicamente, são similares no sentido de que são produzidas a partir do Agave, uma planta que brota em terras vulcânicas e de clima árido, mas para ser considerado uma tequila, tem que ser produzido apenas com o “blue agave” e deve ser destilado duas ou três vezes. Alguns ainda exigem que a tequila seja produzida no estado de Jalisco, mas é discutível. Já o Mezcal é uma bebida mais rústica, sendo em geral destilada apenas uma vez, e pode ser feito de vários tipos de agave. Eu particularmente não gosto de Mezcal, mas vale a pena experimentar um drink já que você está lá! É como um gringo vir para o Brasil e não provar cachaça! Hahaha. E falando em spicy margaritas, cuidado ao pedir! Eu adoro, mas a do Rosa Negra é picante DEMAIS! Minha boca pegou fogo! Hahaha! Não consegui beber então não peça!! Sem condições! Kkk. Os drinks da Posada Margherita também fizeram bastante sucesso com a turma!

Curamos a ressaca no dia 01/01 como se deve – bebendo novamente! Kkk. Antes do jantar saímos para fazer umas comprinhas e acabamos fazendo uma pausa para drinks num bar chamado Casa Gaviota. Não me lembro dele existir ano passado, então acho que é novo! Como bar o lugar é legal – no lugar de cadeiras eles colocaram balanços grandes que sentam até duas pessoas cada um. O local também é um restaurante, mas não ousamos provar a comida porque a cara não estava muito boa e a cozinha aberta era praticamente na rua, nada apetitoso…sé é que vocês me entendem! Hahaha. Late-night drinks é no Gitano sem dúvida! Para assistir ao pôr do sol, vá para os ninhos do restaurante Kin Toh no hotel Azulik ou então no bar Mamasan que possui um terraço no primeiro andar com uma linda vista da floresta! Nós tínhamos programado de ir nos ninhos, mas acabou não dando tempo! Sim, os dias passam voando aqui e também não ajuda que escurece cedo, pois é inverno! Na última noite resolvemos não jantar e optamos por fazer um esquenta para a festa Mayan Warrior no Ocumare, o outro restaurante/bar do hotel. Os drinks são excelentes – eu amei o “priviet” feito de vodka e uva. Lá eles também servem “chipas” que são uma espécie de pão de queijo mexicano kkk. O gosto é idêntico, muitooo bom! Pedimos várias porções e esse foi basicamente o nosso jantar hahaha. Para uma experiência mais “autêntica” kkk, vá para o Mateo’s. Todo temático e cheio de luzinhas, ele costuma ficar aberto até mais tarde. Ele é obviamente bem turístico e meio brega, mas é engraçado! Nós fomos encontrar alguns amigos lá na última noite antes de ir para a festa.

AS FESTAS

Apesar de ser inverno, a alta temporada em qualquer lugar do Caribe é sempre no final do ano. Essa é a época mais cheia de Tulum e também a época quando rolam as melhores festas. Houveram algumas mudanças em relação ao ano passado, e principalmente no quesito preço. Com o término do festival BPM em Playa del Carmen por causa do tiroteio que teve ano retrasado, resolveram criar o evento “Sound Tulum”. Ou seja, todos os principais DJs do mundo agora tocam em Tulum mesmo e as festas são organizadas pelo mesmo pessoal de Ibiza. Isso também quer dizer que os preços das festas (e mesas) também estão cada vez mais parecidos com Ibiza!! Kkk. Mas as produções são fantásticas! Como estávamos só em casal, escolhemos ir em três festas, fora o réveillon. Chegamos no mesmo dia que o evento começava então na primeira noite já fomos numa festa no Cenote Zamna com o DJ Bedouin. As festas que rolam nesse Cenote são um pouco longes e fora de Tulum – leva uns 30 minutos de carro para chegar e tem que pegar uma estrada, então dá uma certa preguiça. Só fomos nesse primeiro dia. O layout da área VIP/mesas não estava legal este ano, porque o palco do DJ estava de costas para a gente, então não curtimos tanto.

No dia 02/01 nós fomos na Woo Moon no Papaya Playa Project. A festa é demais! Que produção! Foi a melhor de todas sem dúvida! A festa começa cedo, no finalzinho da tarde, e vai até o amanhecer! Os DJs tocam instrumentos ao vivo enquanto remixam – é bem legal! Durante a festa também rola algumas acrobacias e efeitos visuais legais.  O local da festa é enorme e de frente para a praia, dá para se perder fácil! Hahaha. O pessoal entra no clima e se “fantasia” um pouco e se você não quiser ficar de fora, você sempre pode pintar a cara ou o corpo lá na festa mesmo! É muito legal, esse ano foi melhor que o ano passado. Mas assim, não é uma festa para todo mundo…algumas pessoas podem não curtir o tipo de som ou achar o ambiente todo meio louco demais…não sei! Eu só sei que amei! Kkk.

Na última noite, no dia 07/01, fomos para a festa Mayan Warrior no hotel Habitas. O Mayan Warrior é uma festa que rola todo ano no Burning Man e ano passado eu achei que foi a melhor festa pela produção e o som. No entanto, esse ano nós não curtimos tanto o som, parecia que a festa não engrenava, não sei explicar. Talvez não tenha ajudado o fato de ter que acordar cedo no dia seguinte para ir embora, então é possível que inconscientemente eu tenha “puxado o freio de mão” hahaha. Eu confesso, eu odeio perder voo! Me orgulho de nunca ter perdido um voo na minha vida! Hahaha. Mesmo assim, a festa estava linda, com uma super produção. Foi no mesmo lugar que ano passado, numa praia privada, mas dessa vez a antiga casa do Papaya Playa virou um hotel novo! Dizem que esse hotel pertence a um pessoal do Burning Man e só pode se hospedar lá se for convidado, mas não sei se é verdade! Uma amiga russa se hospedou no Habitas agora em janeiro e adorou! Como ele não tem uma estrutura permanente (os quartos são tudo cabanas de luxo montadas em cima da praia), não sei se ele foi feito apenas para essa temporada ou se vai ser algo para sempre! Durante a semana do réveillon o hotel ficou fechado para visitas então não tivemos a oportunidade de conhecer, e durante a festa também não deu para ver direito (obviamente haha), mas eu confio no gosto da minha amiga!!

Fora essas festas principais do evento Sound Tulum, quase todo dia em janeiro rola uma festinha no Be Tulum ou no Nômade, o hotel vizinho. Era quase que alternado. O legal é que essas festinhas eram na praia, pé na areia, e começavam lá pelas 4 pm e terminavam antes da 12 pm. Achei que as festinhas que rolaram no nosso hotel foram melhores que o Nômade, talvez por serem menores, mas também preferi o estilo de música! O único problema é que nos dias que tinha festinha na praia do hotel, eles limitavam os itens do cardápio e do bar, então muitas vezes não tinha aquela garrafa de vinho que você queria ou aquele prato do último almoço, por exemplo. Sendo hóspedes, não tem nada pior do que isso. Mas esse foi o único ponto negativo.

O RÉVEILLON

E por fim, vamos ao que interessa: a noite do réveillon!! Kkk. Antes de tudo acho importante esclarecer uma coisa – a virada em Tulum é um pouco diferente do que estamos acostumados no Brasil. Sim, a festa é na praia, pé na areia, mas nem todo mundo usa branco (tem gente que vai de preto ou até fantasiado), não existe som comercial em nenhum momento da festa e não rola queima de fogos!! Eu sei que pode parecer estranho imaginar uma contagem regressiva sem fogos de artifício, e eu confesso que senti falta disso nos dois últimos réveillons, mas já estou me acostumando! Kkk. A festa de réveillon em si é muito legal e tem bastante gente bonita, além de uma produção bacana, então acaba compensando no final. Vários lugares oferecem ceias com menu fixo e festas no dia 31/12, mas a maioria é furada. Assim como o ano passado, este ano as duas melhores festas eram do Be Tulum & Nômade e da Casa Malca. Em termos de preço, era tudo igual, mas acabamos optando pela festa do nosso hotel pela praticidade e também porque alguns conhecidos tinham passado a ceia no Casa Malca no ano passado e não gostaram – reclamaram que a comida acabou e tudo estava ruim! Compramos então o pacote “dinner + party” do hotel, disponíveis apenas para os hóspedes dos dois hotéis. Foi caro, mas todas as bebidas e a comida estavam inclusas.

Às 19h começou o coquetel no Be Tulum com direito a música ao vivo, acrobacias, face/body painting, etc. Foi bem exótico para falar a verdade hahaha. Às 21h o coquetel acabou e eles nos levaram até a área onde seria o jantar. Eles construíram uma tenda enorme na praia e decoraram ela inteira com plantas e luzinhas – estava lindo, lindo! Fiquei impressionada com a velocidade em qual montaram tudo isso e depois desmontaram! No dia seguinte quando acordamos já não tinha mais nenhum vestígio! O jantar foi para 250 pessoas e tinha menu fixo. Nós sentamos em cima de almofadas em mesonas de madeira, cada uma com 10 lugares. O jantar foi bem demorado, mas o ambiente estava demais! Os atores Richard Gere e Gerard Butler também estavam lá! Kkk. A partir da 23h a festa em si começava e toda estrutura foi montada no hotel Nômade. Tinha uma passagem da nossa tenda para a festa – achei muito legal! Os mesmos caras que estavam pintando o rosto do pessoal durante o coquetel, também estavam na festa depois e ficaram a noite toda. É claro que todo mundo se rendeu e acabou se pintando ao decorrer da noite! Hahaha. A festa estava bem bonita, pena que eu não tirei foto do local para mostrar para vocês, porque valia a pena! Durante a noite teve performances à la Cirque du Soleil e o bar estava bom para pegar bebidas. O plano inicial era sair da festa às 6 am e ir a pé pela praia para a festa do Casa Malca, mas ninguém aguentou! Hahaha. A festa do Casa Malca começa a ficar mais animado ao amanhecer e vai até o último convidado ir embora! Parece que esse ano a festa durou até às 15h do dia seguinte!! Hahaha. O sol nasce muito tarde em Tulum durante o inverno, então por mais que eu queria, não aguentei esperar até 7h30/8h! O réveillon em Tulum é bem divertido, bonito e diferente, então tem que ver se é bem isso que você procura, porque lá realmente tem de TUDO! Kkk.

Vou sentir saudades, eu já quero voltar!! Definitivamente, Tulum tem um lugar especial no meu coração. É que nem uma amiga falou: é muito difícil tentar explicar para os outros o quanto eu gostei!

Comentários

comentários

Related Posts

Voltar