Meus posts favoritos 07/11/2018

No final de setembro eu fui para Paris, na França. Como eu tinha um monte de amigos indo para o Paris Fashion Week e eu estava louca para voltar para lá, resolve unir o útil ao agradável! Passei ao todo 8 noites na “City of Lights” e é impressionante como nunca me canso da beleza dessa cidade! Eu tenho um vínculo especial com Paris, visto que eu já morei lá, mas a cidade sempre me fascina! Amo repetir certos restaurantes e visitar novamente certos lugares, bem como descobrir coisas novas. Então segue abaixo um breakdown dos meus dias lá, com dicas de tudo que eu fiz e algumas extras do que está rolando nesse momento na cidade. A penúltima vez que estive em Paris foi há quase 2 anos atrás, mas todas as dicas ainda estão válidas – você pode ler todas aqui. A última vez não conta, pois apenas pernoitei, não foram nem 24 horas na cidade!

DAY 1

Para minha grande felicidade, minhas malas não chegaram! Hahaha. Sério, tem algo mais irritante e frustrante do que suas malas não chegarem?! Especialmente neste caso aonde eu já tinha um evento para ir à noite, então não ia rolar usar as mesmas roupas ou simplesmente comprar qualquer coisa na Zara. Então logo após fazer o meu check-in no hotel, fui direto às compras.  Eu me hospedei no Vendôme Opéra Hotel, no 8ème arrondissement, bem atrás da Place de la Madeleine. Como eu resolvi ir para Paris de última hora, não tinha muita opção de hotel disponível – na verdade não tinha nada! A semana de moda é a época mais cheia da cidade e todo mundo comentou que essa foi a mais cheia que já viram, então encontrar um quarto de hotel bom, numa localização boa e com um preço razoável foi quase uma missão impossível! Consegui reservar o último quarto desse pequeno hotel boutique, mas eu achei ele ótimo! Adorei a localização, da para fazer muita coisa a pé. É o meu hotel ideal? Não. Mas o hotel é novinho, tudo em ordem e perfeito estado, com um staff atencioso. Os quartos são pequenos então escolha a categoria “superior” para cima. Eles servem café da manhã, mas não tem um restaurante e nem serviço de quarto, mas sinceramente, em Paris, isso não faz a menor diferença, pelo menos para mim! Eu só voltava para o quarto para me trocar e dormir, o resto do tempo eu estava batendo perna pela cidade! Então é uma boa opção!

Então após me instalar rapidamente no quarto, resolvi sair a procura de um vestido para usar à noite. Não pensei duas vezes – fui nas duas lojas que mais gosto em Paris: a Croisette 55 e a Montaigne Market. São duas multimarcas que carregam as melhores marcas e peças de roupas mais trendy e cool do momento. Infelizmente a Colette fechou senão ela seria a minha terceira opção. A Croisette 55 é menor e fica na famosa rua Faubourg – Saint Honoré. Separei alguns vestidos, mas acabei comprando com o eleito na Montaigne Market que agora mudou de endereço e está localizada na Avenue Matignon (é relativamente perto do endereço antigo). Com o problema resolvido, fui encontrar alguns amigos para o almoço no Loulou’s.

O Loulou’s pertence ao mesmo grupo do Monsieur Bleu. O restaurante é bem badalado e uma das melhores opções para o almoço num dia bonito. É o lugar para ver e ser visto. Situado entre o Musée du Louvre e os Jardins de Tuileries, no Musée des Arts Décoratifs, o restaurante tem uma enorme varanda no jardim, sempre muito disputada. O restaurante é um dos poucos com serviço contínuo, então é bom que você pode almoçar mais tarde que a cozinha não fecha. Além do ambiente super agradável, a comida estava muito boa! O cardápio é bem variado, cheio de opções, mas eu recomendo provar a pizza trufada!! Nós pedimos ela de entrada, para dividir, e vale muito a pena! É a melhor pizza trufada da cidade, sem dúvida! Não deixem de ir!

Após o late lunch, como estava um lindo fim de tarde ensolarado, passeamos um pouco pela Place de la Concorde e pela Champs-Elysées. À noite tive um jantar da Vogue e Renee Caovilla, designer de sapatos, na Maison Baccarat. O lugar é maravilhoso! Como era mais um coquetel, depois de um tempo saímos de lá e fomos jantar no Matignon. O Matignon é outro clássico que vive lotado e é perfeito para um jantar animado, com música alta e uma balada no andar de baixo! A noite terminou na Raspoutine, a minha balada preferida de Paris! A decoração é inspirada em um cabaré russo e eles são chatos mesmo na porta! Não tem jeito – vá bem vestido! Também não estranhe quando você entrar e começar a descer um monte de andares na escadaria vermelha! Kkk.

DAY 2

O segundo dia foi zero produtivo! Hahaha. Fui dormir bem tarde então consequentemente acordei tarde, o que me frustra muito quando estou em viagens! Ainda mais quando está um dia LINDO! Tentamos almoçar no Le Girafe, mas chegamos tarde demais e a cozinha já estava fechada. Em dias assim, não pode errar – fomos então para o L’Avenue na Avenue Montaigne. Assim como o Costes, o restaurante sempre está cheio, é bem frequentado e tem serviço contínuo, então você pode comer a qualquer hora do dia. Isso em Paris é quase uma raridade, então #ficaadica! O menu agrada a todos, apesar de eu achar a comida nada demais, mas vale muito pelo ambiente, especialmente se você sentar nas mesinhas do terraço – as mais disputadas! Infelizmente, não tenho um prato específico para recomendar aqui, nada é marcante! Kkk. Passamos a tarde toda batendo papo e tomando vinho e depois voltei para o hotel para descansar um pouco antes do jantar. Sim, essa viagem para Paris foi um total #FoodPorn!! Nunca comi tanto na minha vida! Quem acompanhou meus stories no Instagram sabe do que eu estou falando! Hahaha.

No sábado jantamos no Le Piaf – meu novo restaurante favorito de Paris! O lugar é simplesmente imperdível! O único problema é que conseguir uma reserva é bem difícil…talvez a graça do restaurante seja justamente essa, porque ele é zero turista! Pelo contrário, só tem locais – tudo francês! Conseguimos essa reserva através de uma amiga parisiense de uma amiga! Meio chatinho, mas talvez porque era Fashion Week, não sei! Mas não deixe isso desanimar você e tente reservar com antecedência porque vale muito a pena! Vale lembrar que o restaurante possui um seating único, ou seja, as mesas não costumam virar, por isso talvez também a dificuldade. O restaurante não é grande, todo decorado em veludo vermelho com um ar meio antigo, taças anos 20 e lustres…é bem legal! O menu é super enxuto, com poucas opções, mas a comida estava boa! A melhor parte do Le Piaf é definitivamente a música ao vivo. Toda noite, o Victor toca piano e canta ao vivo dezenas de hits franceses e músicas internacionais atuais. O som vai aumentando aos poucos e as músicas vão ficando mais festivas, até que de repente o restaurante inteiro está dançando e cantando! É muito legal! Eu estava louca para conhecer este restaurante e não me desapontou! Conheci o dono no final da noite, o Romain, e amei tanto o lugar que reservei na hora para voltar na quinta-feira seguinte! Kkk. Para variar, depois do jantar, a noite terminou novamente na Raspoutine – o DJ Guy Gerber estava tocando – foi demais!

DAY 3

No domingo acabei acordando tarde novamente por causa da noite anterior, então por causa do horário não sobrou muita opção senão almoçar no Costes, que como mencionei, tem serviço contínuo. As melhores mesas são no pátio interno, mas em plena semana de moda, conseguir uma mesa lá é bem difícil! As salinhas em volta do pátio também são simpáticas e bem aconchegantes, mas podem ser escuras durante o dia para quem não gosta do décor “pesado” de veludo em tons escuros. Eu pessoalmente não ligo e acho tudo muito parisiense hahaha. A comida estava boa dessa vez, geralmente não acho nada demais, mas infelizmente o serviço estava péssimo! Tem que ter muita paciência! Acho que é pouco garçom para tamanho movimento! Minha coca demorou pelo menos 40 minutos!! Tive que pedir umas 5x! Nada mais irritante do que isso né?! Mas tudo bem…as vezes é o preço que se paga por estar em uma das semanas mais cheias do ano e em um dos ambientes mais concorridos! Pulamos a sobremesa no Costes e andamos em direção ao Angelina na Rue de Rivoli para comer algum docinho e tomar o famoso chocolate quente. No entanto, a fila estava quilométrica para entrar, então abortamos! Esse salão de chá/pâtisserie ficou muito famoso por seu chocolate quente e pelo Mont Blanc então vive lotado de turistas! É realmente muito bom, mas eu não tenho paciência para filas assim. A minha dica é ir para o Angelina de St Germain! O salão é bem menor, mas não tem fila na porta, então #ficaadica mais uma vez! Kkk.

Continuamos andando pela Rue de Rivoli e resolvemos sentar ao lado de fora na Pâtisserie Sébastien Gaudard – eu adoro! Conheci essa pâtisserie uns dois anos atrás quando fiz minha pesquisa das melhores pâtisseries de Paris e fui provando tudo (para ver o post clique aqui)! O Sébastien Gaudard trabalhou na célebre Fauchon, onde ele foi assistente do famoso Pierre Hermé. Hoje em dia ele é conhecido por fazer o melhor croissant de Paris! O pâtissier possui duas lojas: uma do lado do Louvre e dos Jardins des Tuileries (a que eu fui) e outra na Rue des Martyrs. O croissant da Pâtisserie des Martyrs é considerado o número 1 de Paris e o da Pâtisserie de Tuileries o segundo! Vale a pena experimentar. Ahh, e o cholocate quente aqui também é delicioso para quem quiser se contentar kkk. Depois da nossa sobremesa, fomos visitar a Chapelle Notre Dame de la Medaille Miraculeuse em St. Germain. A capela é uma graça, sempre gosto de visitar ela quando estou em Paris e comprar algumas medalhinhas para proteção! À noite tentamos jantar no Ferdi, mas para variar estava lotado e sem reserva é impossível. Eles são grossos mesmo e mandam você embora, mas vou falar desse restaurante mais embaixo. Era domingo, estávamos exaustas e afim de comer muito, então pensamos em comer chinês ao invés. Andamos até o restaurante Taokan, mas ele também estava lotado e fomos barrados mais uma vez haha. O Taokan é um restaurante chinês mais chic, mas delicioso na Rue du Mont Thabor! Recomendo super (eu falo sobre ele aqui)!

Vendo que seria impossível comer em qualquer lugar sem reserva, resolvemos testar a nossa sorte no Chez Diep, um outro chinês, que pessoalmente, é um dos meus restaurantes favoritos de Paris! Hahaha. Eu sei o que vocês provavelmente estão pensando…quem vai comer chinês em Paris né?! Mas quem já me acompanha aqui há um tempo sabe – eu sou louca por comida chinesa e dim sums!! Então como no Brasil não tem muito restaurante legal, toda vez que eu viajo eu sempre procuro um chinês bom para matar o desejo! O Diep é o máximo! O lugar é super despretensioso, mas não deixe isso te enganar! Ele é frequentado por TODO mundo em Paris! Desde o estilista Elie Saab às celebridades, etc. A comida é incrível, vem rápido e a melhor parte?! É muito barato comparado com os outros restaurantes! Recomendo demais! Nunca deixo de ir! É parada obrigatória sempre no meu roteiro! Kkk. Depois de um #foodcoma, voltei para o hotel exausta e capotei!

DAY 4

A conta do final de semana chegou! Hahaha. Acordei SUPER doente e gripada, mas descansada. Estava um dia lindo então resolvi bater perna por Paris e procurar dicas legais para dividir com vocês! Como meu hotel era atrás da Madeleine, comecei andando pela Rue de Rivoli. Nada melhor do que caminhar sem rumo por Paris admirando toda arquitetura e beleza da cidade! Eu amo, de verdade! A minha primeira parada foi na multimarcas L’Eclaireur. A loja fica na Rue Boissy d’Anglas e possui um mix bem cool de roupas com objetos de design. Aliás, para os amantes de Fornasetti, aqui você encontra quase tudo do designer! É o paraíso. Vale a pena conferir. Existe também uma segunda loja no bairro do Marais, na Rue de Sévigné.

Se você tiver paixão por óculos de sol e fizer coleção igual a mim, recomendo muito a loja House of Eyewear na Rue de Rivoli. Aqui você encontra uma seleção incrível de óculos bem diferentes e modelos bem cool! É claro que eu não resisto e acabei levando um par! Logo ao lado, tem o café Angelina que já mencionei acima, então aproveitei para fazer uma paradinha estratégica e me abastecer de caramelos, meus preferidos! Se você não quiser sentar no café e quiser apenas comprar um docinho ou algumas das embalagens to go, basta entrar na loja…não precisa ficar na fila esperando! Outra dica boa é a livraria Gagliani, tudo um do lado do outro. Eu amo livros de viagens e aqueles “coffee table books” grandes que enfeitam prateleiras e mesas, então sempre dou uma olhada nessa loja, super tradicional, e também na Assouline e na Taschen, ambas no bairro de St. Germain.

Algumas pessoas me pediram no instagram para dar roteiros de passeios a pé por Paris. Até poderia dar, mas eu sinceramente adoro caminhar pela cidade sem rumo, parando onde der vontade, etc. Mas o passeio que fiz hoje é um bom exemplo se você gosta bastante de caminhar. Comecei na Rue de Rivoli, na altura da Place de la Concorde, e fui até a Notre Dame e voltei! Sempre gosto de passar na frente do Louvre e fotografar a icônica pirâmide de vidro! É tão linda! Do lado, vale a pena conhecer também o MAD Paris – Musée des Arts Décoratifs, que fica entre o Jardin de Tuileries e o Louvre. Sempre tem exposições boas. Se você gosta de design, vale conferir também a loja de design do Louvre na Rue de Rivoli 107. Se você atravessar o pátio interno do Louvre, você irá cair bem na Pont des Arts. Essa ponte ficou conhecida pelos cadeados que os casais amarravam como superstição e um símbolo de amor eterno. No entanto, alguns anos atrás, depois de milhares de cadeados, a ponte começou a ficar pesada demais, e tiveram que intervir. Retiraram todos os cadeados e trocaram as laterais da ponte por painéis de vidro, de modo que hoje ninguém mais consegue amarrar um cadeado nela. Mas como as pessoas são criativas, agora começaram a amarrar nos postes da ponte! Kkk.

Beirando o Rio Sena, adoro passear pelo Quai du Louvre. Para mim, essa parte da cidade tem um charme à parte e me remete a um old school Paris. Não se explicar. Adoro todas as barraquinhas à beira do rio vendendo gravuras e quadrinhos antigos. Sempre que posso compro alguns para minha coleção. Costumo colecionar gravuras assim ao redor do mundo. NYC também é um excelente para comprar gravuras, geralmente em frente ao Guggenheim Museum. Caminhei pelo Quai até chegar na Île de la Cité, aquele miolinho de Paris bem no meio do rio! Kkk. Estava um dia lindo e ensolarado então eu quis aproveitar para rever os vitrais maravilhosos da Sainte Chapelle. Para realmente contemplar a beleza dos vitrais, vale a pena ir somente num dia ensolarado, e quanto mais perto do 12pm melhor. Sempre tem uma pequena fila para entrar dentro do “complexo”, passando primeiro por um raio X e depois fila também na entrada da Sainte Chapelle. Como eu não estava em Paris na função de turistar vendo museus etc, não achei necessário, mas recomendo comprar o Museum Pass para evitar filas. Você fura todas, porque não tem que pagar o ingresso! Fazia ANOS que eu não visitava a capela, como é maravilhosa! Deveria ser parada obrigatória para todo mundo!

Almocei bem na frente do complexo da Conciergerie e Sainte Chapelle, num agradável café chamado Le Deux Palais. Como já era tarde, não me restou muitas opções, então assim que percebi que era serviço contínuo, não pensei duas vezes. Estava bem frio então sentei na parte interna e pedi um croque monsieur. Não sei vocês, mas as vezes nada melhor do que isso! Depois do meu “lanche”, eu continuei andando em direção à Igreja de Notre Dame. Estava um fim de tarde lindo, com aquela luminosidade que só Paris tem! Passei pelas ruelas ao lado da Notre Dame e encontrei um restaurante super charmoso chamado Au Vieux Paris de L’Arcole!! Fiquei com vontade de provar! Um dos lugares mais bonitos para tirar foto com a Notre Dame de fundo é na Pont de L’Archevêché. Você consegue pegar a ponte, o rio e toda fachada gótica dela por trás. Eu acho lindo!

Caminhei de volta beirando o rio, passando pelo Hôtel de Ville (prédio lindo por sinal) e ao lado da loja de departamento BHV. Caminhei até o restaurante L’Avenue aonde sentei para tomar drinks e bater papo com alguns amigos. Como vocês podem perceber, esse foi o meu ponto durante a viagem hahaha. Acho que eu fui lá todo santo dia nem que fosse para tomar uma coca!! Voltei para o hotel e descansei até a hora do jantar. Jantamos no restaurante japonês Matushisa, o Nobu de Paris, localizado dentro do Hotel Royal Monceau. O restaurante abriu uns 2 anos atrás e segue badalado e bem frequentado! A comida é muito saborosa, como já era de se esperar. Mas não se espante, a conta sai cara! Depois do jantar com amigos acabei indo na festa da Carine Roitfeld com a Luisa Via Roma no Monnaie de Paris. Estava bem legal também, mas essas festas de moda acabam mais cedo sempre…parece que não vingam! Kkk.

DAY 5

Acordei no quinto dia completamente gripada! O tempo estava feio, bem nublado e tinha esfriado bastante. Fiquei enrolando na cama, passei na farmácia para me medicar novamente e fui almoçar com dois amigos no bistrô Ma Bourgogne. Eu não sabia, mas esse é um dos clássicos de Paris, situado na Place des Vosges, perto do bairro do Marais. A comida é incrível!!! É super francês. Adoro restaurantes típicos que trazem de couvert uma cesta com pedaços de baguettes frescas e mostarda dijon! Kkk. Foi aqui que eu comi o melhor “steak au poivre” dos últimos tempos! Estava tão bom que não deixei nem um rastro de molho no prato! Realmente delicioso. De sobremesa pedimos ainda um crepe suzette, flambado na hora. Mesmo estando frio, sentamos ao lado de fora para ficar observando o movimento. O terraço tem aquecedores então fica bem agradável mesmo no inverno. O único problema é que esse restaurante só aceita dinheiro, então antes de ir certifique-se que você tem o suficiente! Não aceitam cartão de crédito, nem adianta insistir!

Almoçando com meus amigos, eles me deram duas dicas bem legais que quero dividir com vocês aqui. A primeira é um site chamado Eurostar Snap (https://snap.eurostar.com/). Essa dica vale para quem planeja viajar de trem para Londres de Paris, ou vice-versa. Através desse site você consegue comprar bilhetes BEMMM mais baratos, mas para isso requer uma certa antecedência. Basicamente, você entra no site uns 3 dias antes e escolhe a data e o período do dia que você gostaria de viajar (manhã, tarde ou noite). Um dia antes da data escolhida ele irá te mandar uma passagem com o melhor preço. Por exemplo, ao invés de gastar £200 num bilhete você vai gastar apenas £50! É um ótimo negócio, mas só funciona para quem não tem horário/agenda fixa. A segunda fica é o aplicativo Coop, através do qual você aluga motinhos e patinetes pelo celular em Londres, Berlim e Paris! Super prático!

Depois do almoço fui caminhando em direção à loja da Isabel Marant que fica Rue de Charonne no Marais. No caminho passei por uma ruazinha super charmosa que eu não conhecia – Rue de Lappe! Aqui você encontra um barzinho e restaurante ao lado do outro. A rua é meio pedestre, com um ar bem local!! De dia não tem muito movimento, pois está tudo fechado, mas imagino que a noite essa rua deve bombar! Fiquei curiosa! O bairro do Marais está cada vez mais cool e cheio de lojas bacanas. Vale a pena passar um dia inteiro andando por lá. Na Rue Vieille du Temple, Rue de Sévigné e Rue des Francs Bourgeois você encontra as melhores lojas e boutiques! A Rue de Lille é o melhor lugar para encontrar bolsas vintage nos melhores preços possíveis (pense bolsas Hermès e Chanel antigas). Vale a pena conhecer a multimarcas Merci e The Broken Arm. A loja L’Éclaireur que eu mencionei acima também tem uma boutique no Marais. E para quem gosta de arte, não deixe de visitar as diversas galerias de arte na Place des Vosges! Não muito longe, uns 10 minutos a pé da loja da Isabel Marant, fica a Rue Crémieux. Na verdade, essa ruela é totalmente fora de mão e longe de tudo, então realmente só vale conhecer se estiver por perto, mas ela é um charme. É um pedacinho de Londres em Paris na minha opinião! Parece que você está em Notting Hill, com todas as casinhas coloridas em tons pastéis. É muito lindo! Pena que estava um dia feio, imagino que com sol seria mil vezes mais bonito, mas como eu estava do lado, era a minha única oportunidade! Hahaha. Eu não ia voltar para essa região só para isso! Mas fica a dica!

Peguei um taxi na Gare de Lyon, logo ao lado dessa rua charmosa, e fui para o Le Bon Marché e a Grande Épicerie de Paris. A Épicerie é o mercado gourmet do Bon Marché e eu A-M-O! Queria que tivesse um idêntico aqui em São Paulo! Kkk. Além do local ser bonito e bem organizado, a seleção e variedade de produtos nesse “templo da gastronomia” é incrível! Por exemplo, só de garrafa d’água eles têm dezenas de opções. Esse é o lugar para ir se você estiver com pouco tempo e quer comprar todas aquelas guloseimas e chocolates franceses. Aqui você encontra todas as marcas em um só lugar: Angelina, Fauchon, Hédiard, Maxim’s, etc. Além disso, tudo é apresentado em embalagens lindas que também servem como bons presentes/souvenirs de viagem! A Grande Épicerie é parada obrigatória para mim e sempre saio carregada de coisas hahaha. Pode ter certeza – eles carregam apenas as melhores marcas de tudo! Não tem como não amar! Difícil vai ser arranjar espaço na mala depois para todas as compras! Kkk.

Já a loja de departamento Le Bon Marché é a minha favorita e a mais chic da cidade! A seleção de produtos é sempre boa, topo de linha, e eu adoro testar perfumes novos na seção de beleza no térreo. Se você é que nem eu e gosta de usar perfumes diferentes, esse é o melhor lugar para encontrar marcas francesas desconhecidas, porém excelentes! A seção de roupas e sapatos também é muito boa! Como se não bastasse, eles sempre têm coisas exclusivas acontecendo – dessa vez eles estavam com produtos exclusivos de vários designers americanos na pop-up “Los Angeles Rive Gauche”. Eles também são fortes em personalização: da última vez que eu fui eles estavam com um atelier de personalização de bolsas e sapatos com dois artistas desenhando na hora o que você quisesse em cima do couro com canetas especiais coloridas. Dessa vez estava rolando o “L’atelier x Notify” aonde você podia personalizar uma peça de roupa jeans com 500 mil opções de patches etc. Achei super bacana! Outra loja de departamento boa é a Galeries Lafayette. Dessa vez eu não fui, mas sempre gosto de dar uma olhada! À noite fui jantar no Costes novamente! O restaurante estava lotado para variar, a comida estava boa, mas o serviço sempre pecando!

DAY 6

No sexto dia eu saí passeando sem rumo e almocei no restaurante Girafe. O local é relativamente novo e tinha lido a respeito em algumas revistas e sites então resolvi conferir. A vista do restaurante é sem igual – como fica no prédio da Place du Trocadéro, as mesas do terraço ficam de frente para a Torre Eiffel. Visão mais privilegiada não tem! Muito mais que o Monsieur Bleu. O Café de L’Homme, mais manjado, fica no mesmo local, mas no prédio da direita. A decoração do restaurante é super bonita, em tons claros e com um meio retrô. A sua especialidade são frutos do mar, além de ostras e um raw bar, mas tem também dois pratos de carne no cardápio e algumas opções de saladas. A comida estava muito boa!! Vale a pena, mas tem que reservar! A cozinha fecha cedo na hora do almoço então nada de late lunches. A vista de dia é muito bonita, mas imagino que a noite também deve ser incrível ver a torre piscando tão perto – très romantique! Hahaha

Depois do almoço, eu e minha amiga fizemos um programa bem turista! Hahaha. Tiramos foto com a Torre ao fundo (as escadarias da Place du Trocadéro é o melhor lugar para isso), comemos crepe de nutella, compramos berets nos quiosques de souvenirs, tiramos várias fotos e andamos de carrossel hahaha. De vez em quando é bom né?! Kkk. Aliás, vou aproveitar para falar quais são os melhores locais para tirar fotos com a Torre Eiffel de fundo – além da Place du Trocadéro, a Passerelle Debilly é ótima e ainda aparece o Rio Sena de quebra. A Rue de L’Université fica bem atrás da Torre e é uma rua residencial pouco movimentada que pega ela inteirinha…as fotos ficam lindas! E por fim, para um ângulo diferente, experimente tirar sua foto da Avenue de Camoens!

No final da tarde fui conhecer o Atelier des Lumières no 11ème arrondissement. Sempre curti arte digital, especialmente depois da minha viagem para o Japão, então quando li a respeito dessa exposição eu precisava ir! Trata-se de um galpão escuro, totalmente cru e vazio, aonde rolam três exposições imersivas. Ao todo as três apresentações duram meia hora e se você quiser ficar mais tempo e assistir de novo, você pode. É um jogo de imagens e luzes projetado nas paredes e no chão, além de música. É bem legal. Não existe uma bilheteria então você tem que comprar seu bilhete obrigatoriamente online. Se você não estiver com dados e usando o seu telefone apenas com Wi-Fi, recomendo comprar o seu bilhete com antecedência para não ficar na mão na hora! Basta determinar o horário que você deseja ir. Você receberá então um QR Code através do seu e-mail que será o seu bilhete de entrada. Dentro tem poucos lugares para sentar, mas a maioria das pessoas senta no chão mesmo, e muitos deitam! Eu sentei no chão. É realmente bonito e muito diferente. Me lembrou muito o restaurante que fui no Japão que tinha projeções interativas na parede. Devido ao tamanho sucesso, a instalação foi prorrogada até 6 de janeiro então vale a pena conferir! A exposição imersiva é dedicada aos trabalhos de Gustav Klimt, que é sinônimo do movimento da Secessão de Viena do século XIX. O ciclo de exibição no salão principal também inclui o trabalho de um artista mais contemporâneo que também representou a criatividade vienense: Friedensreich Hundertwasser. Existem armários no estabelecimento aonde você pode guardar os seus pertences gratuitamente antes de entrar no galpão! Vale a pena, pois você só vai precisar do seu celular ou da sua câmera!

À noite finalmente fomos jantar no Ferdi! Como mencionei acima, esse restaurante é super chato e precisa reservar! Tem que entrar no site deles, pegar o número de telefone e enviar um SMS – não adianta ligar. Se você der sorte ou insistir muito, você consegue! Kkk. O restaurante é minúsculo então por isso lota fácil, além de ser queridinho das celebridades. Acho que o hype todo em volta do restaurante está um pouco ligado à dificuldade de conseguir uma reserva e como disse, não adianta tentar a sorte na hora. Ele ficou conhecido por servir o melhor cheeseburger de Paris! Eu provei e gostei muito, mas não sei se eu diria que ele é o No.1! O do Castiglione não fica muito atrás! O restaurante é todo temático e o menu é bem variado, mas fica a dica: faça uma reserva no first seating se você quiser garantir o seu cheeseburger, porque ele acaba e depois não adianta chorar – eles produzem apenas um número limitado por dia! Os churros de sobremesa também valem a pena!

DAY 7

No penúltimo dia, o sol saiu e a temperatura esquentou novamente – não tinha uma nuvem no céu! Aliás, tive muita sorte essa viagem. Tirando dois dias nublados, peguei dias gloriosos. Comecei o meu dia na Fondation Louis Vuitton, situado no Bois de Boulogne, para conferir a nova exposição do Basquiat! Eu AMO ele! Acho que junto com o Matisse, são os meus artistas favoritos! Sempre que tem alguma exposição dele eu sempre vou, e posso falar que essa foi a exposição mais bonita dele que já vi! São mais de 120 obras espalhadas em quatro andares, tudo em ordem cronológica de 1980 a 1988. Tem algumas obras jamais vistas em exposições e os quadros estão lindíssimos! Fiquei impressionada. Vale MUITO a pena! A lojinha no térreo também está demais! Recomendo comprar o bilhete online com uma leve antecedência para evitar grandes filas! Vale muito a pena! Para quem gosta, está rolando agora em Paris também a exposição do Picasso Rose et Bleu no Musée d’Orsay e do Miró no Grand Palais. Outro museu que valeu a pena visitar, mas não tive tempo, é o Musée Saint Laurent. Dizem que é lindo!

Depois da exposição fui almoçar com algumas amigas no meu restaurante italiano favorito de Paris – o Giulio Rebelatto. Ele fica no 16ème arrondissement, em Trocadéro, e adoro que ele é zero turista! A comida é excelente, típica italiana, com aquele cardápio que te deixa zonza com tanta opção boa! Hahaha. Tudo aqui é bom, não tem erro. Vale provar o “melanzane alla parmegiana” que vai gratinar no forno por uns 20 minutos. Esse restaurante existe há alguns anos já, mas recentemente inauguraram, logo ao lado, uma pizzaria que é sucesso também! Vocês devem ter visto no meu Instagram a pizza de Nutella que postei né?! Pois bem, é daqui! Na verdade, ela só existe no cardápio da pizzaria, mas se você pedir para o garçom quem sabe ele cede e serve no restaurante! Foi o que fizeram com a gente, pois uma amiga minha é cliente assídua e ela avisou o dono que eu ia iria e queria provar essa pizza! Kkk.

Depois do almoço, voltei para o Bon Marché para fazer um shopping com as meninas. Depois caminhamos na Rue de Bac em direção ao Boulevard St Germain. Aliás, essa é uma rua deliciosa para andar no bairro de Saint Germain! Fiz uma nova descoberta – Le Drugstore Parisien. A loja me chamou a atenção pela maneira que alguns produtos estavam apresentados e acabei descobrindo que se trata de uma parceria entre a rede de supermercados Casino e a L’Oréal. Aqui você encontra várias marcas diferentes francesas como a Patyka. É bem legal. Uma espécie de farmácia moderna hahaha. Dei uma paradinha básica também na loja do Jacques Genin para comprar caramelos! Para mim, são os melhores de Paris! Tem vários sabores, mas eu prefiro o tradicional…hmmmm! Fiz um pit stop também na City-Pharma, uma das melhores farmácias para se comprar cosméticos na cidade, para mostrar para vocês os meus produtos prediletos no Instagram. Quem quiser ver, está salvo nos meus highlights de Paris!

Aproveitamos o lindo fim de tarde para fazer um happy hour no tradicional café Deux Magots e depois voltamos andando em direção ao Louvre, parando por fim na Église Saint-Germain L’Auxerrois para acender uma vela e agradecer. Essa igreja, por acaso, é um charme! Eu não conhecia! Minha amiga que me levou. À noite voltamos para o Le Piaf de novo!! Hahaha. Sim, eu amei tanto que quis voltar outra vez e já deixei reservado antes de ir embora na primeira vez kkk. Todo dia lá é animado e festivo e o mesmo cara toca toda noite. Ele é demais! O ambiente é mara e a comida muito boa, apesar do cardápio enxuto! Sem dúvida é o meu restaurante favorito em Paris no momento! É imperdível!

DAY 8

Acordei tarde na sexta e resolvi passar o meu último dia passeando por Montmartre! Acho que devia fazer uns 20 anos que eu não pisava nesse bairro e sinceramente, não sei porque! Fui direto para o Pink Mamma almoçar, vez que já estava tarde e não tínhamos tomado café da manhã. O Pink Mamma fica na região de South Pigalle, praticamente colado em Montmartre, e é o mais novo restaurante da rede de restaurantes badalados Big Mamma. O local fica em um prédio rosa de quatro andares e possui uma decoração super charmosa. Nós demos sorte – chegamos e não tivemos que esperar e de quebra ainda sentamos no último andar, o mais legal na minha opinião, que tem um telhado de vidro enorme e muitas plantas – nem parece que você está em Paris! Kkk. O ambiente me lembrou muito o Shoreditch House de Londres!  É uma graça! O serviço estava excelente, super rápido com garçons atenciosos. O restaurante é italiano e aqui a estrela da casa é a grigliata a la fiorentina, mas as pizzas enormes são deliciosas (comemos uma trufada com cogumelos de entrada) e as massas são frescas! A massa trufada é um clássico do grupo Big Mamma e vem servida na panelinha – é demais! A carta de drinks é ótima também, fiquei com vontade de provar vários eu confesso hahaha, e para quem gosta de Nutella, tem que pedir a pizza de Nutella deles de sobremesa. Mas se prepare!! A pizza vem servida junto com um pote de Nutella de 1 kg aberto no centro da mesa para que você possa se servir a vontade! OMG! Hahaha. Mas fica a dica: no almoço, se você quiser provar essa bomba calórica hahaha você tem que pedir ela antes das 14h30!

Depois do almoço seguimos andando em direção ao Moulin Rouge e então o bairro de Montmartre. O restaurante fica super perto, nem 5 minutos a pé! Eu fiquei realmente encantada com Montmartre, fazia tanto tempo que eu nem lembrava direito! É um bairro super boêmio, mas tem um “old charm”, ou que nem os franceses dizem, um certo “je ne sais quoi”! Conhecido como o bairro dos pintores, a atmosfera é totalmente diferente do resto da cidade, bem boêmia e artística! Você não vê aqueles prédios maravilhosos clássicos mais, é totalmente diferente. Pequenas casinhas e um monte de barzinhos e cafés preenchem as ruas estreitas e arborizadas, com alguns murais de grafite, escadarias intermináveis e lindos postes de luz antigos. Esse é sem dúvida um dos bairros mais peculiares e encantadores de Paris. Se assim como eu, você não visita essa região há muito tempo, recomendo muito voltar, especialmente num dia bonito! Como o bairro é situado em cima de uma colina de cerca de 130 metros de altura, oferece vistas maravilhosas da cidade. A mais conhecida talvez seja do topo da Basílica Sacré Coeur! Recomendo caminhar e explorar sem pressa cada cantinho charmoso desse bairro! Fomos andando passando pelo Mur des Je T’Aime, um mural dedicador ao amor aonde aparece a palavra “eu te amo” escrito em todas as línguas do mundo, subimos a escadaria da Rue Drevet e seguimos em direção à Sacré Coeur. Exploramos os arredores, e acabamos andando na famosa Rue de L’Abreuvoir, aonde tem o icônico restaurante La Maison Rose, e mais embaixo a Place Dalida, dedicada à cantora. Terminamos o nosso passeio de Montmarte no bar do Hotel Très Particulier que é um charme à parte e super escondido!

Como estava escurecendo relativamente tarde e ainda tínhamos algumas horas vagas, fomos para a Champs Elysées fazer um last minute shopping na Zara e na Sephora. Sempre encontro achados na Zara, eu adoro, e na Sephora eu pirei nos face masks e comprei um monte! Hahaha. Logo ao lado, vale a pena conhecer a loja de perfumes da Guerlain – é a original! Não muito longe, na Avenue Victor Hugo, fica a loja da Diptyque, que para quem ama perfumes e velas, é imperdível! Tem uma marca de make francesa que eu amo chamada By Terry que tinha uma loja ali perto, mas infelizmente ela mudou então fiquei sem ir! Fiquei arrasada. É muito boa, vale a pena conferir! Comi o meu último crepe de despedida e voltei para casa para fazer as malas!! Como meu voo era diurno e saía super cedo no dia seguinte, queria deixar tudo pronto para poder jantar tranquila.

Para encerrar a viagem com chave de ouro hahaha fomos tomar drinks no bar do Plaza Athenée! Acho que é temporário, não sei até quando também, mas estava rolando uma espécie de pop-up do Cabana Café do Beverly Hills Hotel, com um menu e drinks temáticos. Sempre é uma boa opção de bar na cidade, nunca tem erro! Sentamos ao lado de fora no terraço, estava uma noite super agradável e dava para ver a Torre Eiffel iluminada e piscando! Às 23h fomos jantar no restaurante Victoria. O local é bem badalado, tem música alta, luz ambiente baixa e um cara com sax tocando ao vivo. A comida estava ok, nada demais, mas o restaurante é bem bonito, tem uma vista linda do Arco de Triunfo e é um lugar divertido para ir com turma se quiser animação. A balada L’Arc fica logo ao lado então é prático também para uma programação mais intensa. Foi o que fizemos hahaha. Eu particularmente não amo essa balada, acho que dá um povo meio feio, mas era o que tinha no dia! Kkk.

Espero que tenham curtido as minhas novas dicas de Paris acima, e quero aproveitar para dar mais algumas que ficaram faltando no meu roteiro! O restaurante Edern é novo e segue o mesmo conceito de supper club com DJ/música, aparentemente está bem cool! O La Perruche é um novo bar/restaurante no rooftop da loja de departamento Printemps Haussmann que está bem trendy again, foi indicação do meu amigo parisiense. Ele recomendou almoçar lá num dia ensolarado! O badalado restaurante japonês Kinugawa é sempre uma excelente opção para o jantar, bem como o Caviar Kaspia que vive lotado de celebridades e fashionistas – nunca sai de moda! Uma novidade agora é o Ducasse sur Seine, o barco do Chef Alain Ducasse. Trata-se de um barco elétrico com capacidade para 200 pessoas. Ele circulará pelo Rio Sena durante o almoço e o jantar. Pode esperar preços bem salgados, mas com certeza será uma experiência gastronômica inigualável! Para os amantes de negronis, não deixem de conhecer o bar Bluebird, conhecido por misturar os melhores de Paris! O bar/restaurante L’Oiseau Blanc no rooftop do hotel The Peninsula ainda é votado como um dos melhores rooftop do mundo! E por fim, para um passeio diferente, ande pelo Canal St Martin, contemplando o street art na Rue de L’Ourcq e fazendo uma pausa para drinks no Le Comptoir General! Para ver outras dicas mais antigas, clique aqui.

Related Posts

Voltar