DIdi Krepinsk

Reserve Aqui 28/04/2020

No início de fevereiro eu recebi um convite super especial da Regent Seven Seas Cruises para conhecer o seu novo navio, o Seven Seas Splendor. Foram 3 noites a bordo do novo navio, numa curta viagem apenas para convidados, antes da sua viagem inaugural. Cerca de 400 jornalistas e pessoas da mídia ao redor do mundo foram escolhidos a dedo e convidados para conhecer o novo Seven Seas Splendor – eu fui um dos três brasileiros que receberam o convite, me senti muito honrada! Saímos do porto de Civitavecchia, perto de Roma, na Itália, e desembarcamos em Barcelona, na Espanha. O Seven Seas Splendor fez a sua primeira viagem oficial no dia 6 de fevereiro de 2020, depois da nossa, partindo de Barcelona, Espanha, com destino à Miami, na Flórida, Estados Unidos, onde foi batizado. Como eu mencionei no meu Instagram na época, eu amo cruzeiros, e se dependesse de mim, eu faria uma viagem assim todo ano! Portanto, quando eu recebi o convite, não pensei duas vezes e aceitei! Fui surpreendida pelo luxo e requinte da Regent – eu já tinha feito outros navios de luxo, mas nada como esse! O nível de sofisticação me impressionou. Amei a experiência e com certeza pretendo viajar com a Regent mais vezes num futuro próximo. Segue abaixo o meu relato sobre o belíssimo e novíssimo Seven Seas Splendor, o navio mais luxuoso que eu já estive até o momento. Recomendo demais! Estou escrevendo essa matéria durante a quarentena devido à pandemia do COVID-19, então ela acabou ganhando um gostinho especial, pois essa viagem ocorreu bem antes de tudo explodir na Itália. O país ocupa um lugar especial no meu coração e é muito bom poder relembrar momentos por lá bem antes de toda essa loucura acontecer. Quem diria!

Eu sei que existe muito preconceito com navios de um modo geral, por isso acho importante saber diferenciar os tipos de navios, pois existem diferentes companhias, rotas, tamanhos, e padrões de luxo e serviço. Tudo isso deve ser levado em consideração na hora de fazer a sua escolha para não errar. Eu particularmente acho o conceito de navio maravilhoso – é como um hotel flutuante! É extremamente prático poder conhecer vários destinos sem ter que fazer e desfazer malas, pegar voos, enfrentar aeroportos, fazer check-ins em hotéis, etc. Basta você se instalar uma vez e pronto. Eu também acho demais poder andar até o seu quarto à noite depois do jantar e um dia cansativo. Adoro o entretenimento que cruzeiros oferecem e amo a praticidade geral. Enfim, amo navios por mil motivos, mas entendo que para a experiência ser realmente incrível, o navio também precisa ser. Tenho a impressão de que muita gente associa uma viagem de navio com aqueles cruzeiros enormes com 5/6 mil pessoas, muitos buffets e cabines minúsculas. Claro que isso existe, mas vim falar para vocês sobre outro nível de cruzeiro – esse sim com um padrão de serviço e luxo tão impressionante, capaz de romper qualquer preconceito pré-existente. Todo mundo deveria viajar pelo menos uma vez na vida, se possível, num navio de alto luxo como os da Regent Seven Seas. É incrível! Garanto que não irão se arrepender.

Para quem não conhece, a Regent Seven Seas Cruises é uma das empresas mais conceituadas e admiradas entre os cruzeiros de luxo. Sua moderna frota de cinco navios – Seven Seas Explorer, Seven Seas Mariner, Seven Seas Navigator, Seven Seas Splendor e Seven Seas Voyager – navega para mais de 450 destinos icônicos em todo o mundo. Nos últimos três anos, gastou US $ 150 milhões em reformas impressionantes, sempre preocupada em manter o altíssimo padrão de luxo e sofisticação. O Seven Seas Splendor é sua nova adição e em 2023 a Regent adicionará um sexto navio novo à sua frota. Seus premiados navios, todos all-inclusive, estão entre os mais confortáveis e espaçosos do universo marítimo. Eles são realmente muitos bonitos, sofisticados e especiais. Todo luxo é incluído nas viagens Regent, como acomodações em suítes, aéreo de classe executiva de ida e volta em voos intercontinentais dos EUA e Canadá, a maior coleção de excursões gratuitas e ilimitadas em terra, entretenimento, acesso ilimitado à Internet, serviço altamente personalizado, cozinha requintada, vinhos e bebidas, gorjetas, transfers terrestres e pacotes de hotel pré-cruzeiro de uma noite para os hóspedes em suítes no nível de concierge e mais alto. Não tem nada mais prático do que isso né?! Para reservas, consulta de preços e demais informações consulte seu agente de viagem ou acesse pt.rssc.com.

Antes de entrar a fundo nos detalhes da viagem, gostaria de abordar duas perguntas que surgiram muito no meu Instagram durante a viagem. A primeira é a clássica dúvida sobre enjoo causado pelo balanço do mar kkk. Eu não sou a melhor pessoa para falar, pois tenho estômago de avestruz e dificilmente enjoo no mar, mas o navio é grande e achei ele bem estável, e olha que pegamos ondas grandes um dia. Enjoo a bordo é um problema raro atualmente, pois os navios modernos possuem estabilizadores, o que eliminou, na maioria dos casos, a indisposição à bordo. Além disto, a disponibilidade de informações precisas das condições do tempo e o desenvolvimento de medicações preventivas eficazes colaboram para proporcionar condições favoráveis de navegação. Se você é uma pessoa que costuma enjoar, acho importante você pensar bem na sua rota e procurar escolher travessias calmas – faz toda diferença. Um cruzeiro no caribe dificilmente terá muitas ondas, por exemplo. Além disso, existe medicamento para evitar esse tipo de coisa e no nosso grupo, uma das pessoas ficou bem enjoada no primeiro dia, mas o staff do navio tinha um remédio excelente que você pode pedir a qualquer momento na “recepção” e que ajudou muito! Ela tomou todos os dias e não teve mais problemas. Então saiba que o staff da Regent é preparado nesse sentido. Ademais, se você não estiver se sentindo bem, esteja seguro de que praticamente todo navio possui instalações médicas totalmente equipadas, além de pessoal treinado para lidar com praticamente qualquer situação médica de emergência.

Em termos de faixa etária e perfil dos clientes que fazem um navio da Regent, eu diria que a maioria são adultos mais velhos, na faixa dos 40 anos para cima, mas simplesmente porque é uma viagem cara. Nada impede de você ser um casal mais jovem e ir. Além disso, tudo depende da época do ano em que você fizer a viagem, pois os aposentados tendem a ter mais tempo livre para viajar o ano todo, mas se você optar por fazer uma viagem durante as férias escolares, você com certeza irá ver gente mais jovem e algumas famílias a bordo. Crianças são bem vindas. Eu sempre fiz cruzeiros desde pequena com minha família e sempre amei. Inclusive, o Seven Seas Mariner é um dos navios mais kid friendly da Regent. Mas agora vamos ao que interessa!

DAY 1

Voei de São Paulo para Roma com a British Airways, fazendo escala em Londres. Cheguei e fui recepcionada por uma pessoa da Regent que me levou ao motorista do transfer para o hotel. Todos os convidados da Regent se hospedaram por uma noite no Waldorf Astoria Rome Cavalieri hotel, em Roma, na noite antes do embarque. Este é o antigo Hilton Rome Cavalieri, que agora virou um Waldorf Astoria. O hotel fica um pouco afastado do centro da cidade e particularmente, não é meu favorito por esse motivo. No entanto, seria difícil acomodar tanta gente em um mesmo hotel para este evento né? O Waldorf Astoria é grande e tem espaço para eventos também. Em termos de hotéis favoritos em Roma, tenho alguns, e como eu sei que vocês sempre querem saber, vou falar aqui quais são. Temos os clássicos como o De Russie e o Hassler, que nunca tem erro! O relativamente novo Palazzo Fendi é lindíssimo, mas tem poucos quartos. Eu sou fã número um do JK Roma – para mim ele é lindo de morrer, boutique, não tão grande. Se você já ficou no de Capri, sabe o que esperar. Acho que ele seria o meu favorito! O Palazzo Dama é uma excelente opção de hotel boutique bem localizado no centro com piscina, o que é difícil. No entanto, uma amiga comentou comigo que aos finais de semana rola uma baladinha então tem muita gente transitando pelo hotel e fazendo barulho, então não sei dizer…mas num calor de 40 graus durante o mês de julho ou agosto, uma piscina será sempre bem vinda independente! Kkk. E por fim, agora tem um hotel novo super bacana chamado Hotel de la Ville, que pertence aos mesmos donos do Hotel De Russie.

Cheguei no hotel, me instalei e fui correndo almoçar. Estava morta de fome! Como o hotel fica afastado e já estava tarde, acabei almoçando em um dos restaurantes do hotel mesmo, no Uliveto. Comi um spaghetti alla carbonara maravilhosooo!! Ai gente, fala sério – não existe nada igual kkk. Comer massa na Itália é diferente, não importa o quanto tentam me convencer do contrário. A consistência da massa é diferente, a técnica…não sei explicar! Só sei que estava muito bom e eu comi tudooo! Me deliciei! Veja a foto abaixo do meu prato e fala se não deixou você com água na boca?! Kkkk. Ninguém imaginaria que era do restaurante do hotel né?! Mas o Waldorf Astoria Rome Cavalieri é conhecido pela sua alta gastronomia – o restaurante La Pergola é o primeiro e único da cidade com três estrelas Michelin! É um daqueles lugares que você precisa comer uma vez na vida! Sem falar da vista maravilhosa! Para ver outras dicas de restaurantes em Roma, clique aqui.

Às 18h, participei do coquetel de boas vindas da Regent no hotel e depois aproveitei para bater perna por Roma. Junto com os outros brasileiros, fomos passear perto da Piazza di Spagna – é sempre tão lindo! Eu amo Roma! Como sempre, fui na Fontana di Trevi para fazer o que reza a lenda: jogar uma moedinha dentro da fonte para poder voltar para Roma! Kkk. Quem me acompanha há algum tempo saber que eu morro de amores por sorvete de maçã verde, e em um dos meus posts, eu comentei sobre uma gelateria em Roma onde eu comi o melhor sorvete de maçã verde, mas não cheguei a anotar o nome! Recebi tantas mensagens de gente pedindo o nome, eu tentei encontrar pelo Google, mas não consegui. Como o local ficava perto da Fontana di Trevi, tive a ideia de procurá-lo dessa vez. No entanto, acabei descobrindo outra sorveteria igualmente boa e bem mais fácil de ser encontrada, pois fica literalmente na praça da Fontana di Trevi, ao lado da igreja. O nome da sorveteria é “Gelato in Trevi”, então #ficaadica! Kkk.

Não sei se vocês sabem, mas grande parte dos restaurantes em Roma fecham aos domingos e as vezes até às segundas-feiras. Eu cheguei num domingo, ou seja, sobraram menos opções de lugares para jantar. Alguns dos meus queridinhos estavam fechados, mas foi bom porque acabei conhecendo um lugar novo! Tenho uma amiga italiana que mora em Roma, então combinamos de jantar no Emma. Segundo ela, este é o restaurante mais disputado aos domingos! Tem que reservar, pois vive lotado! Não deixe a aparência de fora enganar você – o local é enorme e tem muitas mesas! Super simpático e aconchegante, no menu você encontra pizzas (a especialidade da casa), além de massas e carnes. A pizza de pata negra aqui é um “MUST”! Eu experimentei e meu deus – sonhando com ela até agora! Kkk. A pizza é tão boa que o Alex Arnault, um dos herdeiros da LVMH, voa de Paris para Roma apenas para vim comer essa pizza…já entenderam né?! Além da qualidade dos ingredientes, acho que o segredo está na massa, porque a pizza é leve – não pesa! Dividimos uma pizza de entrada e depois cada uma pediu um prato de massa! Todas estavam ótimas, como já era de se esperar kkk. Eu pedi um “tonnarelli cacio e pepe” e minha amiga um “rigatoni alla amatriciana”. Recomendo MUITO esse restaurante! Eu amei muito, ele já entrou na minha lista de queridinhos romanos junto com outros lugares como o Taverna Trilussa e o Al Moro!

DAY 2

No dia seguinte, aproveitei a manhã livre para dormir e me adaptar um pouco ao fuso horário. Saímos do hotel às 12h40 para Civitavecchia, o principal porto perto de Roma. Fomos de ônibus e o trajeto todo durou cerca de 1h30. Sim, o porto não é perto! Kkk. As partidas do hotel foram organizadas em diferentes horários, para que não houvesse tumulto na hora do embarque. Foi tudo super bem organizado. Por volta das 14h embarcamos então no novíssimo Seven Seas Splendor. Eu sempre adoro esse momento – embarcando, sem saber ao certo o que te espera! Kkk. E por mais que eu tivesse visto algumas fotos e desenhos do navio, nada poderia ter me preparado para o alto luxo e atenção aos detalhes que encontrei a bordo. Fiquei muito impressionada logo de cara! Como eu mencionei acima, eu já tinha feito outros cruzeiros de luxo, mas a Regent Seven Seas elevou o luxo a outro patamar com o Seven Seas Splendor. Sem brincadeira! Em qualquer lugar ou parte do navio você sempre está cercado por elegância, conforto e hospitalidade. É realmente uma experiência incomparável.

Considerado o cruzeiro mais luxuoso do mundo, o Seven Seas Splendor oferece as acomodações mais luxuosas dos mares enquanto navega para os destinos mais desejados do mundo e para as joias escondidas ao redor do globo. Todas as cabines são all-suites, all-balcony e all inclusive. Uma das coisas que mais me chamou a atenção foi o bom gosto e a sofisticação da decoração. Às vezes, em navios, encontramos decorações com um “que” de cafona, mas não no Seven Seas Splendor. O navio é realmente muito elegante. A decoração foi feita por uma empresa americana baseada na Flórida chamada Studio DADO. Me encantei com todos os detalhes! Os números do navio impressionam também: o navio custou a bagatela de EUR 422 milhões! Entre o tempo de projeto e construção, levou quase três anos para ficar pronto! Com 55.254 toneladas e 224 metros de comprimento, o Seven Seas Splendor conta com cerca de 551 membros da tripulação profissional cuidando de 750 hóspedes em 375 suítes cuidadosamente decoradas, com os mais altos padrões de serviço e conforto personalizados, que variam da categoria Veranda, de 28 m² à luxuosa Regent Suite de 412 m². Os espaços públicos, todos luxuosamente projetados, incluem cinco restaurantes requintados e exclusivos e três elegantes bares e lounges. Uma coleção de arte com mais de 300 obras que somam US$ 5 milhões, 500 lustres de cristal e mais de um hectare de mármore italiano completam a sofisticação do novo navio da Regent Seven Seas Cruises. Nada mal né? Outro número importante é a relação passageiro/tripulação de quase 1×1. Para um navio isso é incrível e significa um serviço impecável.

Os restaurantes do navio incluem o Compass Rose, o maior deles; Pacific Rim, um restaurante pan-asiático com um dragão mítico cumprimentando os hóspedes na entrada; Prime 7, um steakhouse íntimo e elegante; Chartreuse, com pratos franceses clássicos com um toque moderno; e o Sette Mari, em La Veranda, servindo aos hóspedes especialidades italianas autênticas e com assentos deslumbrantes sobre a água que se projetam sobre o oceano para uma conexão ainda mais próxima ao mar, cercada por vistas magníficas e inspiradoras. Existem ainda outras opções, como o Pool Grill ou o Coffee Connection, um elegante café com assentos ao ar livre no convés com vistas surpreendentes do oceano. O Seven Seas Splendor também oferece uma cozinha específica para o programa Culinary Arts Kitchen, a escola de culinária, com 18 estações para demonstrações práticas de culinária gourmet apresentadas por chefs instrutores, e o Serene SPA & Wellness, uma nova marca de SPA de inspiração global criada para o Seven Seas Splendor. Os tratamentos oferecidos são exclusivos e integram técnicas e ingredientes de destinos em todo o mundo para acalmar o corpo e a mente. Eu diria que uma das novidades mais legais é que o Seven Seas Splendor é comandado pela Capitã Serena Melani, uma croata com 30 anos de experiência – essa é a primeira vez na história da indústria de cruzeiros que uma mulher se encarrega de um novo navio de cruzeiro oceânico. Bacana né? Conhecemos ela e ela foi super simpática. Aliás, já esteve várias vezes no Brasil e adora!

Bom, passada as primeiras impressões e o drink de boas vindas, fui diretamente conhecer a minha cabine, meu lar pelas próximas três noites. Minha cabine era a 826, no deck 8, da categoria Concierge Suite. Com 43 m², as espaçosas suítes Concierge são destacadas por uma paleta de cores suaves de cremes e rosados que inspiram serenidade e conforto. Achei super chic! Todos os móveis são estofados com os mais elegantes tecidos italianos. Novamente fui impressionada! Achei o layout da cabine inovador, pelo simples fato da cama estar virada de frente para o mar. Ela foi projetada propositalmente para maximizar a vista para o oceano. É incrível poder deitar na cama e ficar admirando as deslumbrantes paisagens oceânicas! Quem já fez cruzeiro sabe que a cama é sempre voltada para a parede lateral, em paralelo com a varanda. Com essa simples mudança, a cabine mais parecia um quarto de hotel do que uma cabine num navio! Eu simplesmente AMEI isso! Sem falar no espaço que tinha entre o pé da cama e a varanda! Além disso, o banheiro era enorme, todo de mármore, com banheira e chuveiro separados, e eu tinha um walk-in closet espaçoso! Incrível para um navio não? A varanda da minha cabine era também super espaçosa e larga – mais do que o normal. Aliás, as varandas do Seven Seas Splendor são consideradas uma das maiores do mundo. E um bônus vai para a cama extremamente confortável! Foi muito difícil sair dela todas as manhãs hahaha – ela me abraçava! Vocês também concordam que cama boa faz toda diferença?!

Ah, um detalhe importante que vale mencionar: o Wi-Fi é gratuito! As cobranças exorbitantes de Wi-Fi é algo que sempre me incomodou muito nos navios, então achei super bacana isso. Vi muita vantagem! O último cruzeiro que eu havia feito foi o Disney Cruise e eu lembro que gastei uma fortuna em Wi-Fi! Dá muita raiva! Kkk. Então a boa notícia é que o Wi-Fi é gratuito no Seven Seas Splendor independente da sua categoria de cabine! O que muda nas categorias é o número de dispositivos que você pode acessar. Além disso, para quem quer fazer streaming de vídeos, por exemplo, existe um Wi-Fi pago mais possante que você pode fazer o upgrade. Outra coisa que vale mencionar: os hóspedes que ficam em uma suíte Concierge ou em uma categoria superior ganham uma noite free em um hotel cinco estrelas pré-cruzeiro. Faz parte do pacote all inclusive. Um cruzeiro no Seven Seas Splendor é caro, mas se você considerar todos os benefícios envolvidos nesse esquema all inclusive, vale muito a pena!

Depois de instalada, encontrei o resto da nossa “turma” de brasileiros no Pool Grill para o almoço, um dos muitos restaurantes do navio que fica próximo à piscina principal. Informal, o Pool Grill funciona tanto como buffet, como à la carte. Na época, já se falava do coronavírus na Itália e já tinha um navio em quarentena, então a Regent dobrou todos os cuidados com higienização e adotou algumas medidas para minimizar a possibilidade de contágio. Por exemplo, sempre que tinha um buffet, os passageiros não encostavam em nada e nem se serviam – apenas apontavam e falavam o que queriam e quanto, e um membro da tripulação servia. Eu acredito que isso vai se tornar uma nova norma agora após a pandemia. Infelizmente, medidas assim vão se tornar normais, então é bom saber que a Regent já estava se adaptando a essa nova realidade desde o início. Na dúvida, pedimos do menu à la carte que é a mesma coisa. O menu é bem variado e oferece diferentes tipos de hambúrgueres, pizza, hot dogs, saladas, peixe fresco do dia, etc. Tem um pouco de tudo. Tem até milk-shake! Hahaha. Uma coisa legal que vale mencionar também é que todos os restaurantes do navio possuem no menu opções vegetarianas (“plant based options”). E não é apenas uma opção – existem algumas! No Pool Grill, por exemplo, tinha até o Impossible Burger no menu, achei isso legal. Eu comi um “Truffle Burger” delicioso! Aliás, já vou adiantar e dizer que a comida no navio estava excepcional! Sem exceção, de verdade! Comemos muito bem em todos os restaurantes e a todo momento. Muito bem mesmo!

Após o almoço, aproveitei para explorar o navio e fotografar o máximo que pude enquanto ainda estava meio vazio! Um dos meus lugares favoritos no navio foi a biblioteca! Eu amo uma biblioteca e a do Seven Seas Splendor é muito linda, adornada com madeira escura, aconchegante e com uma incrível seleção de livros de todos os tópicos e assuntos imagináveis. A Regent realmente não poupou na construção desse navio. Aproveitei também para ver a impressionante coleção de arte exibida permanentemente a bordo. Levando quase dois anos para curadoria e comissão, a coleção de 300 peças é originária de artistas e galerias de todo o mundo. É quase um museu em alto mar! Kkk. Refletindo uma coleção extensa e diversificada com artistas modernos e clássicos, as obras são apresentadas em todas as áreas do Seven Seas Splendor, de restaurantes e lounges a corredores e banheiros, complementando o elegante design de interiores do navio. A coleção de arte contemporânea apresenta obras de mais de 200 artistas em dezenas de mídias, incluindo Pablo Picasso (duas obras em exibição no restaurante Prime 7 e na Regent Suite), Joan Miró (obras em exibição no Prime 7) e Alexander Krishonov (a escultura de bronze está em exibição no Spa).

É impossível não se impressionar com a riqueza dos detalhes a bordo do Seven Seas Splendor. Tudo foi projetado e decorado com o maior requinte e luxo. O chão, o teto, as luminárias…tudo em perfeita harmonia e de muito bom gosto! Aliás, as luminárias e os lustres no navio são um show a parte! No total, há 216 lustres de cristal projetados em restaurantes, lounges e em outros espaços públicos no Seven Seas Splendor, com outros 119 lustres de cristal dentro das espaçosas suítes e 218 lustres iluminando os corredores do navio. Grandes lustres como o Atrium Grand Chandelier e o Grand Chandelier no restaurante Compass Rose são verdadeiras obras de arte! O primeiro apresenta cinco anéis com 358 hastes de vidro sopradas à mão de cristal boêmio. Foram necessários cinco artesãos por três semanas para serem instalados com cuidado. Já o segundo, com 870 painéis de vidro iluminado, demandou o trabalho de três artesãos por 10 dias para instalar meticulosamente a peça. São lindos! Eu particularmente amei o lustre na entrada do SPA!

Antes do navio sair do porto e iniciarmos a viagem, fizemos o safety drill. Para quem não sabe, esse é um exercício de segurança compulsório (treinamento de emergência) para cumprir os regulamentos da Guarda Costeira e Internacional. Ele é realizado antes do início de qualquer cruzeiro, ainda ancorado no porto de embarque, e todos a bordo devem participar. Esse exercício requer que todos os passageiros compareçam à um determinado local do navio (o seu local está indicado na sua cabine) usando o seu colete salva-vidas (também disponível em sua cabine). Todo o processo não leva mais do que 20 minutos e quando terminado, o navio pode partir.

Na primeira noite, jantamos no Chartreuse, o restaurante francês do navio. O Seven Seas Splendor possui três restaurantes de especialidade a bordo – o Chartreuse, Pacific Rim e Prime 7, e, naturalmente, são os mais concorridos, então exigem reserva com antecedência antes da viagem. O Chartreuse foi projetado para evocar memórias de um elegante restaurante parisiense situado ao longo do Sena e possui culinária francesa clássica com um toque moderno. No menu você encontra pratos típicos como soufflê, escargots, steak tartare, etc. De entrada eu pedi uma sopa de cogumelos trufada e de prato principal uma vitela. Estava tudo maravilhoso. No final do jantar, fomos presenteados com uma linda caixinha contendo macarons. Adorei o toque final! Não sei se mencionei acima, mas todas as bebidas estão inclusas no navio, e isso inclui vinhos, destilados e drinks de alta qualidade. É ilimitado. Após o jantar passamos no Splendor Lounge aonde tava rolando um DJ tocando ao vivo. Normalmente, é para ser uma banda, mas como essa era uma viagem excepcional para convidados, colocaram um DJ para dar uma animada. Adorei! Kkk.

DAY 3

Na manhã seguinte, atracamos às 6h no porto de Livorno, na Toscana. Eu acordei e resolvi pedir café da manhã no meu quarto (está incluso também) ao invés de ir no restaurante. A primeira programação do dia foi a escola de culinária do navio, a Culinary Arts Kitchen. Fizemos um curso de 1 hora onde aprendemos algumas receitas como “Pesce all’Acqua Pazza” e “Pain Perdu”. Foi super legal. A cozinha é um espetáculo e tem vistas absurdas com janelas do teto ao chão – chega a ser um prazer cozinhar com uma vista dessas! Kkk. A Culinary Arts Kitchen possui 18 estações de cozinha em 3 linhas, cada uma delas é equipada com bancada de quartzo e pia de aço inoxidável. A escolha oferece 12 tipos de classes diferentes com temas de peixe e marisco, comida e vinho, mini sobremesas, culinária saudável, etc. Como parte do programa, a Regent Seven Seas também oferece “Gourmet Explorer Tours” em determinadas portos. Achei essa ideia de escola culinária a bordo bem legal! É um excelente passatempo em dias que o navio está apenas navegando em alto mar.

Depois da aula de culinária, aproveitei o tempo livre para dar uma corrida na esteira. A academia do navio é super equipada e sempre tem um treinador à disposição para ajudar ou tirar dúvidas. O acesso para a academia se dá através do SPA. No entanto, vale mencionar que eles limitam o tempo de uso a 30 minutos para cada equipamento, então se você quiser fazer um treino mais longo na esteira, por exemplo, isso pode ser um problema. Mas sinceramente, acho difícil a academia estar lotada e todas as esteiras cheias a ponto de alguém ter que cumprir com essa exigência. Eu pelo menos nunca vi isso! Kkk. Almoçamos no restaurante La Veranda, que serve um suntuoso buffet no café da manhã e no almoço. Para o jantar, é transformado no Sette Mari at La Veranda, o restaurante italiano do navio. Os almoços oferecem uma variedade de opções deliciosas, incluindo “hot carving stations”, uma estação onde o chef fatia as carnes a pedido. Há também um “destination corner”, com pratos inspirados nas tradições culinárias do destino que está sendo velejado. O buffet estava ok, eu comi uma massa, mas preferi o Pool Grill!

Às 13h45 nos encontramos para a partida da excursão. Todas as excursões terrestres estão inclusas no preço e existem várias opções. Pelo o que vi, achei bem variado. Nós estávamos em Livorno, o principal porto de entrada na Toscana, então tinha desde passeio de bicicleta com degustação de vinhos em Chianti, até uma excursão para Cinque Terre. Eu queria muito conhecer Cinque Terre, mas não pudemos escolher a excursão dessa vez, então participei do half-day tour “Highlights of Lucca”. Eu também não conhecia Lucca, então valeu. Localizada entre Pisa e Florença, a cidade de Lucca não atrai tanta atenção quanto as vizinhas famosas. Fora dos grandes fluxos turísticos, a encantadora cidade renascentista é parada obrigatória, pois possui uma enorme riqueza histórico-monumental, com um dos centros históricos mais bem conservados de toda a Europa. Do porto de Livorno até Lucca são cerca de 45 minutos de carro. No caminho passamos pela famosa Torre de Pisa.

Lucca é conhecida por algumas coisas, mas uma delas é ser a cidade natal do grande compositor de ópera Giacomo Puccini. Além disso, ganhou fama com o personagem do Pinocchio, pois o escritor cresceu em um vilarejo muito pequeno ao lado de Lucca chamado Collodi. Lucca também é conhecida como a cidade murada, no entanto, cercada por três cadeias de montanhas, a cidade foi fundada pelos romanos 2000 anos antes da construção das muralhas que a tornou famosa. As muralhas foram construídas entre 1530 e 1615 e existem até hoje – é possível pedalar em cima dos muros e dar a volta inteira no centro da cidade histórica. Inteiramente preservadas, sua parte superior foi transformada em um delicioso parque. As muralhas são as segundas maiores da Europa em termos de comprimento, com seus 4,2 km, logo atrás das muralhas de Nicósia, capital de Chipre. As muralhas da cidade têm onze bastiões, seis portões principais de entrada, outros três portões mais antigos e algumas portas secundárias para sair do centro histórico. A maior parte do centro histórico é pedestre – não são permitidos carros, então é bem simpático para explorar a pé. A cidade de Lucca é pequena, possui apenas 85 mil habitantes, e a maioria mora na periferia, fora do centro histórico. Apenas 10 mil pessoas moram dentro das muralhas. Dentro do centro histórico, encontramos torres medievais e quase 100 igrejas, por isso é apelidada de “a cidade das cem igrejas”. Junto com um guia, exploramos os principais pontos turísticos e também tivemos um tempo livre para compras.

Já ouviram aquela expressão antiga “todos os caminhos levam a Roma”?! Pois bem, assim que entramos no centro histórico de Lucca, uma das primeiras coisas que vimos foi a placa da Via Francigena sinalizando o caminho para Roma. No passado, a Via Francigena era uma importante estrada percorrida por milhares de peregrinos da França para Roma. Ela era parte de um conjunto de ruas que levavam da Europa central para Roma, a capital europeia da história e da arte. A Via Francigena é uma das três peregrinações mais famosas da Idade Média, juntamente com a Terra Santa, em Jerusalém, e Santiago de Compostela, na Espanha. A peregrinação na Idade Média levava consigo um fundamental aspecto devocional: a peregrinação aos lugares sagrados da religião cristã. Até hoje, é possível fazer a peregrinação da Via Francigena, começando a partir de Lucca e percorrendo a estrada de 450 km até Roma.

Caminhando pelas ruas, é possível notar a forte influência de Pinocchio nas lojinhas de souvenirs hahaha. A primeira parada foi o Duomo di Lucca, também conhecido como a Cattedrale di San Martino. Situado na Piazza San Michele e dedicado a São Martinho, é considerado um dos pontos turísticos mais importantes da cidade. Na verdade, é um belíssimo monumento que vale a pena ser admirado. Sua fachada é linda! Dentro do Duomo está guardado o Volto Santo, um crucifixo preciosíssimo que foi levado da Terra Santa no Século VIII. Por isso a cidade faz parte da rota dos peregrinos que percorrem a Via Francigena. Pertinho dali fica a Casa di Puccini, onde o grande compositor nasceu. Não chegamos a entrar, mas a casa foi transformada em um pequeno museu que mostra retratos do grande mestre, esboços de figurinos e seu último piano. Na frente tem uma escultura de Puccini. Seguindo pela Via Filungo, principal rua comercial de Lucca, chega-se a Piazza dell’Anfiteatro, um dos principais lugares da cidade. Seu formato oval deixa transparecer um rico legado romano, e os portões baixos, em forma de arco sinalizam o local por onde as feras e os gladiadores entravam na arena. Quando foi criado, para espetáculos e jogos de gladiadores, o anfiteatro de Lucca era uma estrutura imponente, com 54 arcos e uma cavea capaz de acomodar até dez mil espectadores. Considerada uma das praças mais charmosas da cidade, hoje é repleta de restaurantes, bares e cafés. É um ponto imperdível de Lucca.

Antes de partir para o shopping, visitamos a Torre Guinigi. Um dos símbolos de Lucca, ela pode ser avistada de longe ornada por pequenos carvalhos que insistem em crescer num local tão inusitado e pouco provável – no topo da torre. Foi construída pela família Guinigi, umas das principais e mais poderosas famílias da cidade, no final dos anos 1300, como um emblema de prestígio. Na época em que foi construída, as torres simbolizavam riqueza, logo, quanto maior a torre de uma propriedade, mais rico seria o seu dono. A torre foi construída toda em tijolo como um anexo a uma das mansões da família na Via Sant’Andrea. Hoje, ela pertence ao conselho da cidade de Lucca e é um lugar imperdível: subir é uma obrigação. A vista do alto dos seus 45 metros é impressionante. Além do visual com as montanhas toscanas e todo o panorama de Lucca, a torre ainda tem um pequeno jardim, pois na época, a família plantou azinheiras para representar renascimento e renovação. Não me lembro exatamente, mas acho que pagamos EUR 5 por pessoa e subimos os 230 degraus até o topo! Tem que estar com o preparo físico em dia porque cansa! Hahaha. Chegando no topo, ficamos admirando a linda vista e as joias arquitetônicas de Lucca, mas estava ventando TANTO que achei que o vento ia me levar hahaha. Quase perdi o celular duas vezes tentando filmar a vista! KKk. Mas valeu super! Recomendo! Em termos de compras, não é que tem tanta coisa assim e está tudo concentrado na Via Filungo, mas acho que vale a pena comprar algumas guloseimas típicas como o Panforte e o Buccellato. Lucca também tem óticas boas – comprei um par de óculos de sol novo super cool e diferente!

Às 18h30 estávamos de volta no navio e fomos tomar drinks no Meridian Lounge, o meu bar favorito no navio. Além de ter música ao vivo, o lounge tem um uma excelente seleção de drinks, criados especialmente para o Seven Seas Splendor. Provei vários ao longo da viagem e achei um melhor que o outro kkk! Às 20h30 jantamos no Prime 7, o outro restaurante de especialidade do navio. Com ambiente intimista e elegante, eu diria que é uma espécie de steakhouse americano, oferecendo cortes de carnes nobres e frutos do mar com deliciosos acompanhamentos. Me lembrou muito o restaurante Prime 112 em Miami. A decoração é maravilhosa e está cheio de obras de arte lindíssimas! Estava tudo delicioso, comemos super bem! Eu amei a seleção de molhos que acompanharam a minha carne e as batatinhas fritas trufadas! Depois do longo dia, estava exausta e capotei na minha cama maravilhosa! Hahaha.

DAY 4

Passamos o terceiro dia a bordo navegando em alto mar. Pedi café da manhã no quarto novamente – acho tão prático! Quem já me acompanha há algum tempo sabe que eu amo room service né?! Hahaha. Às 9h tivemos um press media conference com o CEO da Regent Seven Seas Cruises. Entre outras coisas, ele falou sobre o comprometimento da companhia com a sustentabilidade, algo que acho legal mencionar, pois cada vez mais o turismo tem se voltado para isso. A missão da Regent é melhorar continuamente sua cultura de sustentabilidade por meio de novas inovações, educação progressiva e colaboração aberta. Seu compromisso ambiental está evoluindo e se expandindo continuamente em áreas adicionais de suas operações, tanto a bordo como em terra. A indústria de cruzeiros está indissoluvelmente ligada à condição dos nossos oceanos e, por isso, a melhoria contínua é uma de suas principais responsabilidades. Alinhado a essa responsabilidade, vem o compromisso de prevenir acidentes e incidentes envolvendo poluição, reduzir o impacto ambiental de suas operações, gerenciar resíduos através de métodos que promovam a reciclagem e a reutilização de materiais, e garantir o aprimoramento contínuo de seus objetivos e metas de certificação ISO 14001. A companhia tem o objetivo de aumentar o fornecimento sustentável, minimizar o desperdício em aterros, investir em tecnologias emergentes e reduzir suas emissões de CO2. Eles já reduziram garrafas de plástico descartáveis a bordo com o sistema de purificação de água da vero. Cada hóspede recebe uma garrafa de água de aço inoxidável para reabastecer nas diversas estações de água disponíveis no navio. Através dessa única medida, eles estimam ajudar a reduzir em até 2 milhões o número de garrafas plásticas nos navios. É muita coisa né?! A Regent vem implementando de maneira consistente as alternativas de plástico de uso único, o que levou a uma significativa redução no uso de canudos, colheres, etc. Eles também implementaram Cartões de Comentários Eletrônicos, para ajudar a reduzir o uso de papel.

Após o press conference, rolou um brunch INCRÍVEL no restaurante Compass Rose! Eu filmei e mostrei um pouco do buffet nos Instagram stories e lembro que vocês piraram! De fato, era muita fartura! KKK. Uma variedade impressionante de comida e apresentação impecável! O Compass Rose é o maior dos restaurantes no navio e o principal. Super sofisticado, assim como o resto do navio, o Compass Rose possui lustres lindos e louça Versace (não, não é cafona)! Aqui é servido diariamente o café da manhã e o jantar, ambos à la carte. No jantar, o menu é dividido em duas partes: um lado fixo com menu degustação do chef e no outro lado opções à la carte que mudam todo dia. O menu é bem internacional e ainda existe a possibilidade de personalizar todos os aspectos da sua refeição. Ou seja, como vocês podem ver, é praticamente impossível se enjoar da comida no Seven Seas Splendor – você nunca precisará repetir um prato! Kkk.

Depois do brunch, fomos conhecer algumas das outras suítes no navio. Primeiro começamos com a mais top – a opulente Regent Suite! Localizada no Deck 14, o andar mais alto do navio, e com 412 m², a Regent Suite é uma das maiores suítes de cruzeiros do mundo! Cabines de navios tendem a ser pequenas e aconchegantes, mas quando você entra na Regent Suite, não é difícil esquecer que está em um navio. Foi essa a sensação que eu tive! KKK. Essa suíte suntuosa apresenta o máximo conforto de um colchão artesanal Hästens Vividus de US $ 200.000, um retiro de SPA na suíte com sauna pessoal, área de tratamento com terapias de SPA ilimitadas, dois quartos, vista panorâmica de 270 graus sobre o arco do Seven Seas Splendor, varanda envolvente de 121 m² com solário, e uma área de estar envidraçada com uma vista para a ponte do capitão (centro de comando) e os destinos mais bonitos do mundo. Os hóspedes da suíte Regent também desfrutam de acomodações aéreas de primeira classe, um mordomo pessoal dedicado para gerenciar todos os detalhes da experiência dos hóspedes e um carro pessoal com motorista e guia em todos os portos. A suíte tem até uma obra do Picasso no quarto principal e um piano da Steinway & Sons na sala. É uma loucura! Hahaha. Custa a bagatela de R$ 500 mil por um roteiro de 7 noites, e pasmem: tem lista de espera de um ano e meio para fazer roteiros no Mediterrâneo! Depois da Regent Suite, todo resto tende a perder um pouco a graça né?! Hahaha. Mas fomos conhecer uma das oito suítes Master disponíveis no navio. A Master Suite é uma categoria abaixo da Regent Suite. Com 195 m², é metade do tamanho, mas também possui dois quartos e uma sala de estar principal com sala de jantar. Na verdade, achei o layout excelente. É bem espaçosa e tem uma mega varanda bem legal também. Sendo bem sincera, a Master Suite é bem mais prática e mais factível do que a Regent Suite. Achei uma excelente opção para quem estiver viajando em família ou dois casais.

Passei o resto do dia curtindo o navio e minha cabine. Às 15h30 fiz uma super massagem de 60 minutos e aproveitei para usufruir de todas as instalações do Serene Spa & Wellness. Cada vestiário possui uma sauna seca com janelas de vidro do chão ao teto com vista para o mar, uma sauna a vapor, um chuveiro de experiência (“rain shower experience”), camas de relaxamento de pedra aquecida e um “Cold Room” para se refrescar após a sauna, por exemplo. Os vestiários são separados para homens e mulheres, mas ambos levam a um agradável terraço externa com poltronas e namoradeiras e uma piscina de borda infinita bem na popa do navio. O espaço é gratuito para uso – não é necessário reservar nenhum tratamento no SPA. Recomendo aproveitar bem isso! Kkk.

Na última noite jantamos no restaurante asiático Pacific Rim, o meu favorito de todos! A comida estava simplesmente DE MORRER! Hahaha. Sou um pouco suspeita, pois amo comida asiática, mas tudo estava incrível e olha que pedimos praticamente o menu inteiro! Bem dramático, logo na entrada há uma imensa instalação de arte – uma escultura de um mítico dragão subindo de baixo do chão e girando pelo amplo espaço até o teto para cumprimentar os hóspedes, dando o tom para a jornada culinária que o aguarda.  Segurando uma pérola, o dragão de bronze fundido é uma personificação da boa sorte na cultura asiática. O menu do Pacific Rim dá vida a ricas tradições culinárias com uma variedade de pratos pan-asiáticos deliciosamente preparados. Poderia jantar lá todo dia! Kkk. Após o maravilhoso jantar, fui assistir a um dos shows no Constellation Theatre. Para variar eu estava morta e precisava fechar as malas então não durei muito.

DAY 5

No dia seguinte, com muita dor no coração e sonhando em poder continuar a viagem, eu desembarquei do Seven Seas Splendor em Barcelona, na Espanha. O processo de desembarque é super organizado e é feito por grupos em diferentes horários. Na noite anterior você recebe todas as instruções, não tem erro. Eles informam qual o seu grupo e a que horas será realizado o desembarque desse grupo. Junto com essas informações você recebe também etiquetas coloridas para as malas. Cada cor representa um grupo diferente para fácil identificação. As malas precisavam ser etiquetadas e colocadas para fora da cabine, no corredor, até às 23h da noite anterior. É ideal que você tenha uma mala de mão para poder guardar suas nécessaires e pijama na hora de desembarcar, pois as malas já terão ido! O horário de desembarque do meu grupo foi 8h30. A Regent organizou todo transporte direto do porto para o aeroporto de Barcelona, aonde eu peguei um voo para Londres. Eu amei a experiência a bordo do Seven Seas Splendor, fiquei com gostinho de quero mais e não poderia recomendar suficiente o navio e a Regent. Foi tudo incrível! Já quero planejar o meu próximo cruzeiro!

Todos os navios da Regent fazem roteiros a partir de 7 dias. Diferente de outras companhias, a boa notícia é que a Regent possui preços em R$ e parcela em até 10x, então #ficaadica! Claro que hoje tudo mudou com a pandemia do coronavírus, mas até então, em fevereiro, todas as saídas do Seven Seas Splendor até junho já estavam lotadas. Imagino que muitas foram canceladas e serão feitas em novas datas. Sei que vocês sempre gostam de ter uma ideia de preço, então perguntei e me passaram um valor a partir de R$ 20 mil por pessoa, para fazer um roteiro de 7 noites, all inclusive, no Mediterrâneo, no Seven Seas Splendor ou no Seven Seas Explorer, o navio irmão. Com a alta do dólar, imagino que esse valor tenha aumentado, mas é mais para vocês terem uma ideia ok?! Confiram os preços atuais no site da Regent que eu coloquei no início do post. Lembrando que existem também opções mais baratas em outros navios da companhia.

Related Posts

Voltar

Fatal error: Uncaught Exception: Service : Wprocket_Active not exist in /var/www/html/wp-content/plugins/weglot/src/class-bootstrap-weglot.php:98 Stack trace: #0 /var/www/html/wp-content/plugins/weglot/weglot-functions.php(15): WeglotWP\Bootstrap_Weglot->get_service('Wprocket_Active') #1 /var/www/html/wp-content/plugins/weglot/src/services/class-regex-checkers-service-weglot.php(51): weglot_get_service('Wprocket_Active') #2 /var/www/html/wp-content/plugins/weglot/src/services/class-parser-service-weglot.php(97): WeglotWP\Services\Regex_Checkers_Service_Weglot->get_regex_checkers() #3 /var/www/html/wp-content/plugins/weglot/src/services/class-translate-service-weglot.php(82): WeglotWP\Services\Parser_Service_Weglot->get_parser() #4 [internal function]: WeglotWP\Services\Translate_Service_Weglot->weglot_treat_page('<!doctype html>...', 9) #5 /var/www/html/wp-includes/functions.php(4979): ob_end_flush() #6 /var/www/html/wp-includes/class-wp-hook.php(303): wp_ob_end_flush_all('') #7 /var/www/html/wp-includes/class-wp-hook.php in /var/www/html/wp-content/plugins/weglot/src/class-bootstrap-weglot.php on line 98